Español Português

Cheguei ao Reino Unido em 1999. Poucos éramos então imigrantes portugueses na cidade de Peterborough, mas com a entrada do novo milénio o fluxo migratório aumentou, e a comunidade portuguesa foi a primeira a estabelecer-se. Peterborough está localizado no norte de Londres, na região conhecida como East Anglia, onde existem inúmeras empresas de transformação agrícola, operando com mão-de-obra de milhares de imigrantes.

Quando cheguei à cidade trabalhei em uma dessas fábricas, mas logo consegui empregos como coordenadora de educação e famílias (de língua portuguesa) e professora de línguas modernas, Para mim, o Reino Unido era uma terra que me deu as oportunidades necessárias para o meu desenvolvimento pessoal. Consegui o que vim procurar.

O trabalho de fábrica torna-se extremamente difícil. Exige horários muito longos, com salários bastante contidos e contratos de zero horas. Contratos de hora zero consistem em você ter de ir trabalhar quando te chamam, sem qualquer compromisso de carga de trabalho da empresa. Talvez por esta razão, os britânicos não estão dispostos a trabalhar nelas e esses empregos são preenchidos por imigrantes.

Esta necessidade de trabalhadores na área, que atraiu milhares de cidadãos da União Europeia, fez de Peterborough uma das cidades culturalmente mais diversificadas do Reino Unido. A economia beneficiou e manteve-se forte neste trabalho abundante, mas criou um descompasso social significativo: segregação entre comunidades imigrantes, pressão sobre os serviços públicos, barreiras culturais e linguísticas e muitos outros .

Estas e outras desordens sociais criaram uma situação de instabilidade na sociedade britânica, causando confusão e divisão social e política, que finalmente terminou no Brexit.

A aprovação do Brexit pelo referendo resulta num sem fim de dúvidas, de receios por parte de muitos dos imigrantes que, como eu, fizeram desta cidade, deste país, o seu lar.

Questionamos o nosso futuro, os nossos direitos: há garantias que podem restaurar-nos à estabilidade? Diante da incerteza, muitos são os que se sentem desanimados, e não poucos decidem voltar, embora não haja garantias de uma vida promissora de volta à península.

Voltar a Portugal significa voltar a baixos salários, em muitos casos significa ter de mudar de profissão, procurar um alojamento. As dificuldades e os riscos podem ser maiores do que os de permanecer no Reino Unido, onde tivemos filhos e fizemos nossas vidas.

Deixar a vida na Inglaterra, muitas vezes também leva à necessidade de vender o que você tem, com a habitação como a principal herança. É um processo difícil. Ter de vender significa ter de aceitar as ofertas que vêm. No contexto econômico atual significa vender barato.

Outra possibilidade, que uma minoria está a optar, é tentar a sua sorte em outros países europeus, como a França, Bélgica ou Holanda. É uma alternativa tão complicada ou mais do que regressar a Portugal, porque envolve aprender outra língua e uma nova adaptação cultural.

Em 20 anos passamos, de termos no Reino Unido uma possibilidade certa de desenvolvimento pessoal para estarmos sujeitos a uma situação de instabilidade e incerteza.

No entanto e apesar de tudo, todos os dias chegam emigrantes vindos de Portugal e das suas antigas colónias, algo que me faz pensar que o Reino Unido ainda continua a ter certo atractivo para muitos. Não saberia explicar o porquê. Talvez seja por causa da inércia de décadas emigrando para as ilhas, ou uma sintonia especial com o Reino Unido, ou a ingenuidade de pensar que tudo estará de volta ao jeito que era quando, apesar das dificuldades, muitos de nós fomos capazes de fazer um futuro nesta ilha.

Sandra Ringler é especialista em intervenção em guerras e conflitos.