Español Português

Desde o início da história, a emigração tem sido um fenômeno que tem ocorrido em diferentes povos e nações ao redor do mundo.

Na Europa, o Tratado de Maastricht de 1992 deu início à livre circulação de cidadãos europeus através de países da UE, abrindo fronteiras para grandes movimentos migratórios no início do século XXI.

O Reino Unido era e continua a ser um país de preferência ao emigrar. De acordo com estatísticas oficiais em 2018, 18.871 portugueses y 19.089 espanhóis fizeram as malas em direção às ilhas. Mostrando que, apesar do Brexit, este ainda é um país desejado por muitos.

O que o Reino Unido oferece que o torna um destino desejável? É o tempo?

O Reino Unido ofereceu infinitas oportunidadesde emprego, desde a hospitalidade, à saúde e à educação, à construção e a muitos outros ramos; o salário mínimo é de 8,21 libras esterlinas, cerca de 9,55 euros por hora. Os salários na maioria das profissões são duplicados, em termos nominais, para as taxas recebidas em Portugal e para ser consideravelmente maior do que os de Espanha. Por outro lado, existe um sistema de assistência social que beneficia muito os casamentos com filhos, mães/pais solteiros, idosos e deficientes, aumentando a receita para aqueles com uma renda menor. Para que o indivíduo possa atingir um mínimo estipulado por lei, o que permite levar uma vida decente.

Tudo isto faz do Reino Unido um país onde os cidadãos migrantes se sentem protegidos, protegidos. Um país onde você pode ter uma família e ter um projeto vital, que na península, é para muitos um impossível.

Podemos concluir que a imigração continua a ser principalmente motivada economicamente, e que o fosso de desenvolvimento entre a Península Ibérica e as Ilhas Britânicas mudou pouco nas últimas décadas. Tudo permanece o mesmo,ou você poderia mesmo dizer mais mau

Apesar de todas as oportunidades, nem tudo é fácil para os imigrantes, e há barreiras que impedem uma porcentagem significativa, progridem profissionalmente e se integram socialmente.

Uma dessas barreiras e talvez a mais significativa é a linguagem. Como professora de línguas, posso provar que uma parte da imigração lusofalante e hispanofalante, que geralmente tem um baixo nível cultural no meio do jogo, não consegue alcançar um nível suficiente de inglês, para progredir no mercado de trabalho, ou para treinar em alguma especialidade, apesar de viver no Reino Unido por mais de uma década. Mas não só a linguagem cria um problema de integração, como também pesam aspectos culturais.

A comunidade portuguesa falante em Peterborough, perto de Londres, é composta por indivíduos inteiros e famílias (de todas as idades) que chegam desde o início do novo século. A nacionalidade predominante nesta comunidade é portuguesa, embora encontremos uma variante de etnias, religiões e culturas provenientes de origens de países como Cabo Verde, Timor, Guiné Bissau, Brasil, Goa, Angola, Moçambique, San Tomé e Principe e, claro, Portugal.

Na comunidade hispânica, há grupos menores de várias nacionalidades, venezuelanas, colombianas e outras nacionalidades.

O perfil dos migrantes da Espanha é um pouco diferente, na maioria das vezes eles são jovens, muitas vezes licenciados à procura de oportunidades para o futuro. Embora muitos cheguem com um bom nível teórico de conhecimento do inglês, a realidade é um pouco diferente, pois a dificuldade fonética, na prática, frustra um avanço profissional consistente com o treinamento inicial.

É um fato significativo que as comunidades “iberófonas”, apesar de suas origens variadas, e diferentes níveis socioculturais, têm uma harmonia especial quando se trata de relacionar e criar comunidade. Estes são aspectos culturais e sentimentais que falarei com mais profundidade em outra ocasião.

O Brexit vai mudar as regras do jogo, nada nunca será como antes para o movimento de pessoas estrangeiras no Reino Unido. O paradoxo de tudo isto é que tudo vai mudar, talvez porque nada mudou nos 27 anos desde que a livre circulação de pessoas, bens e capitais entre os países da Europa foi aprovada. Os países europeus continuaram a manter-se como diferentes níveis de desenvolvimento como em 1992, o que se revelou incompatível com a manutenção das fronteiras abertas.

E quanto ao tempo… essa é outra história.

Sandra Ringler é especialista em intervenção em guerras e conflitos.