Espanhol Português

Escrevemos no artigo anterior que o Iberismo, para ser uma realidade apreensível, requer uma certa dose de certeza que acaba provocar um desejo.

Que certezas apoiam o Iberismo do século XXI?

As características físicas da Península Ibérica, tão bem descritas no digital “El Trapezio”, apresentam a sua variedade climática que a torna mais auto-suficiente e permite que os seus cidadãos mudem de lugar facilmente para recuperar dos seus próprios rigores, da riqueza das suas costas, da cultura, arte deslumbrante que compartilhamos com toda a Comunidade Ibérica (países de língua portuguesa e espanhola), uma história longa, rica e emocionante, um respeito diplomático decorrente da sua grande carreira, a criatividade do português e do espanhol, etc. Os valores fazem da Hispania ou da Iberia um modo de criação único e diferente da União Europeia e do resto do planeta.

A Ibéria, por tudo isto, é uma realidade e foi de uma forma política, económica e socialmente durante séculos.

São certezas históricas que constituem uma boa base para nos convencermos e convencer a Comunidade Internacional, que deve nos reconhecer como um novo Estado, que o iberismo não é uma ficção, imaginação de grupos nostálgicos e desempregados.

O reconhecimento da Península Ibérica como Estado, qualquer que seja a fórmula utilizada, Confederação, Federação ou Estados Associados, será uma reivindicação longa e complicada, pois será necessário superar não apenas as suas próprias dúvidas mas, o que poderia ser mais grave, fobias estrangeiras.

Além de termos convencido pelo menos 60% dos ibéricos, devemos fornecer à Comunidade Internacional mais certezas e garantias do que aquelas que oferecemos em separado. Devemos oferecer ordem, consenso, austeridade, lealdade, solidariedade …

Quem pensa que seria fácil, a nível internacional, não sabe como funciona o equilíbrio diplomático.

Antes havia que superar a desinformação, o medo, as próprias diferenças e as contradições internas, os egoísmos, as numerosas dúvidas, etc.

Em Portugal, porque agora, em geral, se vive melhor; em Espanha, porque receios históricos do regionalismo e pelo medo de que a unificação pudesse afectar o nível de vida.

A diferença da transição espanhola, onde o povo foi um protagonista passivo e os acordos de pacto de uma elite bem intencionada e pressionada pela urgência e pelas dificuldades, cujas consequências determinaram benefícios para umas comunidades e prejuízos para outras, como é, por exemplo, Castela, foi desmembrada e como tal todo o processo de União Ibérica deve ser lento, debatido e consensual desde o povo até às instituições, e não ao contrário.

O povo espanhol e o povo português exigiram certezas evidentes e seguras.

A primeira, um apoio de 60%, como mínimo, deve ser um consenso. Isto provocaria uma desconfiança evidente mas também seria a energia necessária para chamar a atenção dos meios de comunicação e de todos os sectores culturais, produtivos e sociais, debates que chegariam aos próprios parlamentos.

Como ocorreu no final da transição, apareceram socialistas e liberais até debaixo das pedras, surgiram massas de iberistas novos até a vigésima geração.

Assim seriam insuficientes as Cimeiras Ibéricas, que serviram até então para muito pouco, porque apenas se viram algumas realizações contidas nos próprios acordos, propostas de organismos legais que defendem desde há anos medidas concretas na Raia e inclusive algumas contidas pelas 111 medidas propostas pelo Iber e pelo MPI.

Dado o facto consumado de que o povo espanhol e português decidirem-se unir e sentir a urgência de um projecto comum para enfrentar os desafios de um futuro mundial diferente e mais exigente, instituições, partidos, sindicatos, igrejas, organizações empresariais, exércitos, etc. Eles devem organizar as suas ideologias, especialmente nos primeiros momentos, mostrar a generosidade e lutar pela unidade.

Especialmente os jovens, que nesta década vão assistir ao fim do trabalho tradicional e serão divididos entre uma elite tecnológica bem paga e a maioria que trabalhará em serviços com salário mínimo.