Español Português

O escritor granadino, Ángel Ganivet, conta uma história – na sua obra Idearium Espanhol – que recém chegado de um país do norte da Europa foi apresentado a um paciente chamado Agatón Tinoco , pensando que ele também era espanhol. Agatón esclareceu rapidamente: “-Sou da América Central, senhor; de Manágua; Minha família era portuguesa”. Ganivet o interrompeu espontaneamente e disse sem rodeios: “Você é espanhol por três vezes”. O escritor de Granada não se referiu ao que é constitucionalmente entendido como “nacionalidade espanhola”, mas à identidade conjunta da península hispânica, hoje conhecida como Península Ibérica. Portanto, Agatón era triplamente ibérico.

Outros autores também gostam de duplas “mesmas” nacionalidades. Entre eles, Miguel de Unamuno – agora na moda – que afirmava ser duplamente espanhol por ser basco, embora saibamos que, por causa de sua lusofilia – de bom grado – ele poderia conseguir o diploma de triplamente ibérico. Por outro lado, um ganivetista e antropólogo brasileiro chamado Gilberto Freyre afirmou que ele – e junto com ele também o Brasil – era duplamente hispânico, no sentido de ibérico, por ter tido reis portugueses e espanhóis, esses segundos os “filipes” do período da união de coroas da chamada União Ibérica (1580-1640) em um período decisivo para a formação do Brasil. Argumento que Freyre reforçou ao descrever a capacidade natural do brasileiro de ler e sentir como materna os trabalhos de duas eminências duplamente ibéricas, como Cervantes e Camões. Ambos sentiram o país irmão em seu coração e caneta.

O duplamente ibérico não diminui o nacional ou, pelo menos, não deveria. Pelo contrário, aumenta. Um exemplo são os duplamente ibéricos Fernão de Magalhães (Fernando de Magallanes) e Juan de Castillo (João de Castilho). Este último, um castelhano aportuguesado nascido na cidade cántabra Castillo Siete Villas, esquecido pelas autoridades nacionais espanholas, exceto por sua prefeitura que prepara seu 550º aniversário em 2020. Juan de Castillo conta – entre suas obras – cinco monumentos portugueses Patrimônio Mundial para a Unesco: o Convento de Cristo em Tomar (onde Filipe II jurou as cortes portuguesas), o Mosteiro dos Jerónimos de Belém, a Fortaleza de Mazagón, o Mosteiro da Batalha e a Abadia Real de Santa María de Alcobaça. O castelhano Juan de Castillo iniciou sua carreira arquitetônica nas melhorias da Catedral de Burgos e na direção da construção da Catedral de Sevilha, e com 38 anos emigrou para Portugal, tornando-se o expoente máximo do estilo manuelino, um verdadeiro herói nacional português Este estilo português tem paralelos com o isabelino e o plateresco espanhol.

Magallanes , um português castelhanizado, liderou o projeto castelhano de viagem ocidental à Oceania de especiarias. E ele fez isso em rebelião contra o reino de Portugal, porque serviu outro rei e tomou “segredos científicos do Estado”. A expedição de Magalhães – que agora está comemorando seu quinto centenário – encontrou a passagem do Atlântico para o Pacífico e atravessou a vastidão deste último até encontrar a morte nas Filipinas. Sua liderança foi assumida por um basco, Juan Sebastián Elcano , daqueles que Unamuno chamava de duplamente espanhóis. Elcano, em marcha, decidiu dar a volta ao mundo – de Sevilha a Sevilha em um navio e na mesma expedição – sob o cerco das forças portuguesas porque ilegalmente (Tratado de Tordesilhas) atravessou o Oceano Índico e passou para o Atlântico pelo Cabo da Boa Esperança em paralelo à costa luso-africana.

A expedição de Magalhães-Elcano não merece uma crise diplomática ou uma guerra de comentários cibernéticos. Sem dúvida, o projeto era oficialmente espanhol. Também não se pode questionar que Magalhães era um herói duplamente ibérico , que trouxe de Portugal um conhecimento valioso para expedição. Mas, acima de tudo, além de aplicar um nacionalismo retroativo a uma era pré-nacional de reinos, deve-se esclarecer que nada seria possível sem a experiência anterior e os conhecimentos e técnicas herdados naquele grande laboratório do Mediterrâneo. Finalmente, a chegada do oriente – via Al-Ándalus – do astrolábio, um instrumento de navegação que lhes permitiu deduzir tempo e latitude no meio de oceanos desconhecidos e imensos. Nem os portugueses nem os espanhóis costumam reconhecer essa origem.

Que haja uma celebração conjunta, duplamente ibérica!

Pablo González Velasco é coordenador geral do EL TRAPEZIO e doutor em antropologia ibero-americana pela Universidade de Salamanca