Fronteiras abertas, por favor!

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Na passada segunda-feira dia 25 de Janeiro, a Comissão Europeia recomendou aos governos da União Europeia que solicitem aos viajantes procedentes das zonas de alto risco, com incidência superior a 500 casos por 100.000 habitantes em 14 dias, uma prova de PCR negativa e posterior quarentena obrigatória.

Actualmente e segundo informa a página web do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Espanha não existem limitações legais para a passagem das fronteiras terrestres entre Espanha e Portugal. Para a entrada por via aérea em Espanha, por norma geral é exibido um teste PCR negativo expedido feito 72 horas antes do vôo.

No R.D. do Estado de Alarme, em vigor na Espanha até Maio, pode-se ler que “A medida prevista de limitação de entrada e saída nas comunidades autónomas não afecta o regime de fronteira”, portanto, esta limitação não afecta “a raia” com Portugal: Uma vez dentro do país, logicamente, todos são obrigados a cumprir as restrições de cada local, reclusão geral em Portugal e os toques de recolher às 22 horas na Galiza, Extremadura e Andaluzia e às 20h Casilla León.

Na prática, existem situações confusas. A Galiza já tentou durante a Ponte da Constituição fechar a fronteira com Portugal. Isto aconteceu devido ao aumento ocorrido na zona norte de Portugal mas tal encerramento não foi possível. Depoimentos contraditórios chegam de diferentes áreas da fronteira, revelando falta de instruções claras à população. Dizem-me, por exemplo, que em algumas zonas da fronteira os portugueses que vão para Espanha correm o risco de ser multados e que os controlos os impedem de fazer compras nas cidades espanholas. No entanto, na zona fronteiriça com Badajoz parece não haver limitações. A população não sabe o que esperar, os boatos circulam e existe um certo medo de ser sancionado. Lojas e hotéis recebem cada vez menos clientes.

Mas é preciso enfatizar que a actividade de fazer compras na Espanha e depois retornar ao local de residência, por enquanto, não pode acontecer.

Todos os cidadãos estão sujeitos a outras restrições além das do toque de recolher e dos confinamentos em vigor em cada território.

Mais uma vez, não é tida em consideração a especificidade do território fronteiriço e para este não se encontra regulamentada qualquer regulamentação, como é o caso das Eurocidades Ibéricas, que na prática funcionam como uma entidade económica e territorial única. Durante o período que vai desde a reabertura das fronteiras em Julho de 2020 até aos dias de hoje, com vários altos e baixos consoante as zonas, a fronteira tem marcado certas limitações reais ou psicológicas. A pandemia, infelizmente, está a travar o processo de interacção constante entre as populações limítrofes.

A situação a partir de agora vai se complicar ainda. A recomendação a qual aludia no começo estabelece uma quarta zona de risco pintada a “vermelho escuro”. Estas zonas têm uma incidência de, em 14 dias, 500 casos por cada 100.000 habitantes. Este é um nível superado em quase toda a Espanha e Portugal. Esta nova categoria vai afectar todas as viagens não essenciais, ou seja, desde viagens de turismo a viagens de trabalho ou em família que não são avaliadas como essenciais. Pessoas que ainda desejam viajar para fora de seu território devem ter um teste PCR negativo antes de iniciar a viagem. Mesmo assim serão submetidos à quarentena obrigatória na chegada ao seu destino. Na prática é um confinamento severo e que impossibilita viajar para outros países, com excepções mínimas, que durará pelo menos até que a incidência de 500 casos / 100.000 habitantes baixa durante 14 dias.

Felizmente, as recomendações da UE são lembradas para regiões transfronteiriças, e pedem excepções por motivos de trabalho ou familiares. Não havendo necessidade de quarentena ou teste de PCR se a situação da epidemia for semelhante em ambos os lados da fronteira.

Mas, em qualquer caso, são os Estados-Membros que irão finalmente determinar as regras que consideram adequadas para os testes e quarentenas.

Não há dúvida de que a situação da epidemia exige sacrifícios, mas é preciso ser sensível às áreas de fronteira, pois elas devem suportar não só as restrições de cada país, mas também as limitações da fronteira.

Desde aqui queremos instar os governos de Espanha e Portugal para que assumam as recomendações da Comissão para regiões transfronteiriças, impedindo o encerramento da fronteira, sendo esta uma situação particularmente sensível na realidade social e económica destas zonas.

Pablo Castro Abad

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário