Espanhol Português

Há uns anos, quando comecei a estudar português, decidi inscrever-me, para praticar e te uma experiência diferente, no curso “A Filosofia da Crise, dado no verão pela Universidade Nova de Lisboa. Durante as aulas tive a oportunidade de fazer perguntas e intervir em alguns debates. O meu português era algo precário. Tinha certo vocabulário mas a minha fonética era claramente castelhana. O professor e os meus colegas rapidamente tentaram adivinhar a minha origem e perguntaram se era galego. Nesse momento pensei que, para eles, um galego é um espanhol que fala português. Eu não sou galego, são madrileno, obviamente espanhol, e um iberista e lusófono confesso.

A Galiza teve as suas eleições autónomas no passado domingo e a propósito das mesmas o El Trapézio publicou uma notícia onde analisou o conteúdos dos programas eleitorais dos vários partidos em relação as relações com Portugal e com a lusofonia. Do programa do partido vencedor, o espanholista e conservador PP, destaco o seguinte parágrafo:

“Potenciaremos acções nos países da lusofonía, isto devido a proximidade cultural e linguística que temos com os mesmos. Estas acções serão realizadas de acordo com a lei aprovada no Parlamento galego em 2014. A Galiza vai liderar a entrada de Espanha, como um observador associado, na Comunidade dos Países de Lingua Portuguesa (CPLP)…”

No outro lado do espectro ideológico temos o esquerdista Bloque Nacionalista Gallego, o segundo partido mais votado, assinalou no seu programa eleitoral: “O desenho e aprovação de um plano estratégico de acção lusófona que termine na incorporação da Galiza na CPLP”. “Aproveitar a lusofonia com ações concretas. Gostaria de incentivar a Eurocities e as Euro-connections a aproveitar as oportunidades para também fortalecer os laços culturais e linguísticos através de uma estreita relação cultural com Portugal. ”

É sabido que a ligação ancestral entre a Galiza e o norte de Portugal, expansível em toda a península noroeste e antecede a existência de Espanha e Portugal. Esta é uma proximidade geográfica, idiomática e cultural que uma fronteira artificial, mantida por 900 anos, não conseguiu apagar. Alguns laços que recentemente deram frutos, graças ao efeito da UE, foi uma forte integração económica.

Esta é uma relação específica, levada à política galega e reflectida tanto pelos programas do PP galego como do BNG. Estranhamente, o programa do Partido Socialista da Galiza-PSOE, terceiro em número de deputados, não diz nada sobre Portugal e nem sobre lusofonia.

Até agora, tudo pode parecer harmonioso e distante do confronto político, no entanto, e infelizmente, a realidade não é assim e há um confronto ideológico e político marcado por causa da ligação Galiza, Espanha, Portugal.

O nacionalismo galego mostra-se partidário em estreitar relações com Portugal, isto para distanciar-se do centralismo espanhol. Em geral, isto provoca um afastamento do iberismo de cooperação entre os estados espanhóis e português. A ideia do conjunto peninsular não encaixa num nacionalismo galego que encontra a sua razão de ser no localismo. Não obstante, há correntes de confederações de nações ibéricas. É assim que se sente cómodo o nacionalismo galego, isto ao negar Espanha.

O Partido Popular da Galiza, que é hegemónico desde que foi posta em marcha a autonomia, isto salvo o parêntesis de uma legislatura, no entanto, entendem que a Espanha é essencial para aproveitar e fortalecer a ligação Portugal-Galiza. O Iberismo Integrativo é bem recebido pelo PP galego. Nesse sentido, o Secretário-Geral de Política Linguística da Galiza, o senhor Valentín García Gómez, com quem tive a oportunidade de conversar um pouco na celebração anual do Mixed Couto 2019. A estreita relação entre o Presidente da o Xunta da Galiza, Alberto Núñez Feijoo, o presidente da câmara do Porto, Rui Moreira, que recebeu a medalha de honra da cidade, é muito importante.

O Partido Socialista, apesar de seu lamentável esquecimento no programa eleitoral, sempre foi a favor do fortalecimento dos laços com Portugal. Isto sem que isto implique um distanciamento com o centralismo espanhol. Nesse sentido, tivemos a oportunidade de nos encontrar no Senado espanhol com o senador do PSG-PSOE, Luís García-Maña, um conhecido intelectual da província de Ourense.

Por isso, podemos dizer que a Galiza é ibérica, porque valoriza e deseja aprimorar os laços ancestrais com Portugal e com o mundo da língua portuguesa, liderando a relação política geral entre a Espanha e as pessoas da língua portuguesa. A Galiza é ibérica, embora ainda não o saiba, pois esse termo e o seu significado ainda não deram o salto para entrar plenamente na imaginação política da população. Mas por isso estamos aqui, nesta linha. Marquei uma conferência na Universidade de Vigo sobre o Iberismo do século XXI para o outono, representando a Plataforma Civil Ibérica, com a qual eu já tive a oportunidade de oferecer outras duas conferências na Galiza , especificamente na Eurocidade Chaves-Verin e no Liceo de Ourense. O caminho é feito ao caminhar.