Mitos sobre Portugal (III)

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Se em relação aos mitos anteriores já há alguma abertura, até porque são ridículos face ao conhecimento que temos hoje, este continua praticamente intacto. A Independência de 1640.

 Segundo o que se ouve e lê por aí, Espanha trouxe-nos o caos e a destruição, levou à perda do Império e à perda de autonomia, mas graças a sucessivos levantamentos de todo um povo que não queria ser espanhol e a uns valorosos fidalgos conseguimos restaurar a nossa querida independência.

 Só há um problema — alguns dos nossos principais historiadores contrariam toda esta narrativa.

 Primeiro, a decadência do Império já se vinha a manifestar antes da União Ibérica e a União em muitos casos, pelo contrário, serviu para fortalecer as débeis posições de Portugal. As grandes perdas, afinal, como nos conta José Hermano Saraiva, deveram-se ao preço que o país teve que pagar às potências estrangeiras pela sua independência. Oliveira Martins questiona-se se Portugal não passou a ser efectivamente um protectorado inglês. Intelectuais como Lenine, Amílcar Cabral, Boaventura de Sousa Santos e outros, não têm dúvidas, foi mesmo isso que aconteceu.

 Segundo, não é verdade que os portugueses se tivessem levantado em massa contra os terríveis espanhóis. José Mattoso afirma-o claramente:A Restauração, ao contrário do que julgaram os historiadores portugueses do século XIX, foi um movimento minoritário e que internamente se impôs com dificuldade”.

 De facto, os Restauradores além de lançarem os mais gravosos impostos sobre o povo, só à força conseguiram reconstruir um exército para esta guerra. Mesmo um dos historiadores mais à direita do nosso país, Rui Ramos, admite na sua História de Portugal “[…] as resistências desse mundo local ao recrutamento, à tributação e, em geral, às exigências de guerra colocam sérias restrições à imagem da Restauração como uma «guerra nacional».  A falta de soldados “conduziu recorrentemente a violentas «levas» de homens e a recrutamentos feitos por capitães, senhores ou simples contratadores por sua conta, suscitando muitas vezes contundentes protestos das populações”.

O golpe foi perpetrado por um restrito número de fidalgos e nobres de Lisboa — os afamados Quarenta Restauradores — que declaravam com toda a soberba ter o rei hesitante na mão. De facto, o novo rei hesitou durante muito tempo até tomar parte neste golpe. Quase metade das casas nobres titulares portuguesas mantiveram-se fiéis aos Habsburgo. 

Pedro Cardim, historiador da Universidade Nova de Lisboa, concretiza: “[…] existia, e que continuou a existir, um grupo que era convictamente a favor de uma maior integração de Portugal na monarquia espanhola. […] a maioria das pessoas era bastante indiferente em relação ao que se estava a passar, e que a muitos não repugnava continuar na Monarquia Espanhola, bem pelo contrário. Bastava dar continuidade ao que tinham feito nos 60 anos anteriores”.

Porém a estocada final neste grande mito é dada por José Mattoso quando nos conta que o problema da União Ibérica não foi a falta de autonomia de Portugal, mas sim o sistema híbrido em que os portugueses, não estando totalmente integrados, não tinham os mesmos privilégios que os espanhóis.

 Que pretendiam todos? Que Portugal se fundisse no corpo da monarquia; mas a corte de Madrid, que podia ir saqueando o reino conquistado e unido, veria secar-se essa fonte, desde que a fusão se consumasse; e a burguesia espanhola, togada, mitrada, comercial, temia a concorrência dos adventícios aos lugares e às especulações mercantis”.

… o duque, a nobreza e burguesia não reclamavam a independência, desejando, bem no íntimo, a fusão. Repeliam e indignavam-se, porém, contra o sistema híbrido, contra a união dos dois reinos, que, permitindo a Espanha saquear Portugal, não dava aos portugueses os foros e interesses dos espanhóis”.

Para terminar, dizer que a invenção da comemoração do Primeiro de Dezembro ocorreu na década de 1860, mais de 200 anos depois, unicamente em Lisboa, e por motivações políticas — para acusar o governo nacional de, lá está, Iberismo.

Tornou-se evidente que a conotação patriótica de 1640 foi adicionada depois de a revolta ter acontecido, um trabalho levado a cabo pela propaganda do período pós-1640, tendo em vista legitimar a rebelião, justificar a ruptura política e mobilizar a população para a guerra contra a monarquia espanhola. E percebeu-se, finalmente, que foi essa mesma propaganda que criou e difundiu a ideia de que Portugal tinha sido explorado pela monarquia espanhola durante 60 anos”. — Pedro Cardim

Para que se evite uma nova idade das trevas na península, como aconteceu com a chegada dos fascismos à península no século passado e que atirou o iberismo para o fundo do baú por muitas décadas, devemos combater estes mitos patrioteiros nefastos e muito perigosos.

Alexandre Nunes é licenciado em Estudos Europeus

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário