Español Português

Poucos sabem que em Madrid há um arco de 49 metros de altura, a pouco mais de um quilômetro e meio do Palácio da Moncloa, que comemora a vitória de Franco na guerra civil.

Este arco também presta homenagem à reconstrução da Cidade Universitária na década de 1940 após a guerra civil. O projeto original nasceu em 1927, quando o rei Alfonso XIII cedeu a propriedade das terras de La Moncloa para fazer uma cidade para a Universidade de Madrid, também chamada Central. No arco é possível ler um trecho de uma inscrição que menciona que “a inteligência é sempre vencedora”. O que sugere uma tentativa de remover o espinho pregado por Unamuno.

O arco foi uma operação de propaganda pura, dado que Franco foi o máximo responsável – em última instancia – da guerra civil e, portanto, da destruição da Cidade Universitária. Franco não era um doutor como Oliveira Salazar, mas um generalísimo com experiência militar em terras do Norte de África. No entanto, no período de desenvolvimentismo franquista (anos sessenta) houve uma abertura em termos de acesso mais popular à universidade, uma abertura que não tinha equivalência em Portugal, que viveu em um desvio permanente de recursos para as guerras coloniais. Tempos em que o reformista Manuel Fraga teve sucesso, enquanto o seu par português, Adriano Moreira, foi demitido.

Na verdade, o projeto da Cidade Universitária foi entusiasticamente assumido pela Segunda República e a guerra civil impediu sua inauguração conjunta. No entanto, a Faculdade de Filosofia e Letras foi inaugurada em 15 de janeiro de 1933 pelo Presidente da República, Niceto Alcalá Zamora, e pelo Presidente do Conselho de Ministros, Manuel Azaña. A transferência da facultade, da cêntrica rua San Bernardo, coincidiu com uma geração dourada de professores chamada, por Julián Marías, “Escola de Madrid”.

Em suas instalações inovadoras, deram aula: José Ortega y Gasset, Xavier Zubiri, María Zambrano, Ramón Menéndez Pidal, Rafael Lapesa, Elías Tormo, Pedro Salinas, Jorge Guillén, Claudio Sánchez Albornoz, María de Maeztu, Hugo Obermaier e Américo Castro. Este último, como uma homenagem, foi recentemente dado o seu nome à “Sala Histórica de Américo Castro”, que reproduz fielmente uma sala de aula de 1933. Grande parte dessa geração dourada acabou no exílio. Portanto, o arco – ao invés de vitória – é da derrota da Cidade Universitária.

Entre os alunos da primeira turma da Cidade Universitária, em janeiro de 1933, estava Julian Marias, que conta – em suas memórias – que o decano disse aos futuros filósofos que – por essa condição – assumiriam na vida um “voto de pobreza”. Os alunos deram-lhe uma ovação de pé. O decano acrescentou: “Eu percebo que eu ganho 60.000 pesetas por ano. Eu gasto 50.000 no que eu mais gosto: tocar piano e ler livros de filosofia; e eu tenho 10.000 para viver”.

Foram tempos de uma revolução no acesso das mulheres à universidade, que Marías lembrava saudosamente pela beleza, inteligência e “amizades intersexuais” que encontrou naqueles anos. Ao qual adicionaremos uma viagem indelével de fim de ano através do Mediterrâneo, da qual Marias escreveu o livro Notas de un viaje a Oriente. Um cruzeiro feliz à procura das raízes da cultura ibérica.

A Batalha da Cidade Universitária durou de 15 a 23 de novembro de 1936. O exército espanhol “nacional” da África confronta o exército central republicano espanhol, as brigadas internacionais e a coluna Durruti, deixando – após a batalha – a frente estabilizada até o final da guerra, simbolizando assim a resistência de Madrid do “Não Passarão”.

Com a exumação, a laje pesada – a histórica e a real – do generalíssimo, cortada discreta e e profissionalmente com rebarbadoras, foi levantada. Uma vez que o transe foi superado, iniciou-se uma berlanguiana transmissão em directo com o último vôo de Franco, que poderia ter derivado: em um colapso grotesco do caixão, ou em um espetáculo tragicômico se a polícia de choque tivesse feito uma aparição, aplicando um café carregado para todos, com base em bolas, pancadaria e corridas, no momento da euforia dos nostálgicos enquanto os restos mortais do ditador aterravam.

A conclusão é que não teve o grande impacto da mídia internacional esperado para a melhoria da imagem da democracia espanhola, verdadeiro interesse do Governo. Teve um impacto modesto, o que também não é desprezível.

Muitas famílias anônimas, que sofreram sob o franquismo, comemoraram discretamente o acontecimento. Só em uma década saberemos os efeitos do levantamento da laje e se, isto, foi um passo dentro de um conjunto de medidas para cicatrizar as feridas, dar cristã sepultura para aqueles que não têm e re-significar monumentos como esse arco, da vitória para alguns e derrota para outros, onde passa todos os dias o presidente do Governo em seu carro oficial.

Pablo González Velasco é coordenador geral de EL TRAPEZIO e doutorando em antropologia ibero-americana na Universidade de Salamanca