Español Português

Erasmo de Roterdão foi um humanista, filósofo e teólogo holandês que viveu no alvorecer da Era Moderna, entre os séculos XV e XVI. Erasmus de Roterdão, logo chamado Erasmus, criticou a educação da época, as escolas e universidades que praticavam autoritarismo contrário ao pensamento livre. Ele criticou as práticas da hierarquia da Igreja Católica, propôs o diálogo direto dos crentes com as escrituras e a necessidade de traduzir a Bíblia, do latim às línguas vivas.

Ele viajou pela Europa: Itália, Inglaterra, Suíça. Foi contra as guerras. Na Península Ibérica, suas obras tiveram grande influência. Um defensor da reforma da Igreja, no entanto, ele não participou da Reforma Luterana, porque ele não comungar com a idéia de mudar a doutrina, mas de mudar o mau governo da Igreja. Ele não tomou partido na Reforma Luterana, nem na Contra-Reforma Católica, e por essa razão ele foi acusado de covarde.

O resumo de seu legado é o de uma pessoa de grande talento, independente, pensador livre, crítico do poder, um grande propagador de idéias, e viajante para a Europa.

Em 1987, a então Comunidade Europeia lançou o programa educativo mais bem sucedido da sua história, o Programa Erasmus, que facilita a permanência académica de estudantes noutros países da União Europeia. A escolha do nome não poderia ser mais apropriada. Erasmus personificou a liberdade de pensamento e a disseminação do conhecimento, dos valores educacionais por excelência.

O “Erasmus” é originalmente concebido para o Ensino Superior, embora hoje se estende ao Ensino Escolar, Educação de Adultos e Formação Profissional de Grau Médio. Já são 32 anos de funcionamento em que foram realizadas 5 milhões de mobilidades, de estudantes, professores e outros grupos, entre os países europeus.

Estas cinco milhões de mobilidades aproximaram os europeus do que qualquer outra circunstância. Os jovens, e outros não tão jovens, têm sido capazes de viver em outros países, conhecer uns aos outros, trocar conhecimento, viver culturas diferentes, melhorar com as línguas. Isso permitiu quebrar estereótipos, misturar, tocar… construir uma identidade, fazer a Europa.

Pessoalmente, não tive a oportunidade de ir ao Erasmus quando era estudante, mas a vida deu-me outra oportunidade em 2012, quando estava encarregado de implementar o Programa no Instituto Giner de los Ríos de Alcobendas, perto de Madrid. Eu tinha que encontrar entidades para os meus alunos de várias especialidades de Formação Profissional Superior para realizar estágios no exterior. Visitamos vários países, Portugal, Alemanha, Itália, Reino Unido… Como coordenador do programa visitei estes países, e estava imbuído do “espírito Erasmus”.

Posso dizer, a partir da minha experiência de sete anos no Programa, que o “espírito do Erasmus” é a coisa mais próxima de um patriotismo europeu que temos.

O programa é um êxito de relevância quantitativa e qualitativa suficiente, para poder dizer que existem várias gerações de europeus, que realmente sentem o europeísmo como algo vivido na primeira pessoa.

No que diz respeito ao que este programa significou para as relações entre os povos de Espanha e Portugal, só posso dizer coisas boas. Quando mandei estudantes para Portugal, praticamente todos os alunos sentiram uma sintonia especial; língua, cultura, relações sociais, tudo é próximo, familiar, nos sentimos em casa, a casa europeia, mas também ibérica.

Diz-se que, quando Espanha e Portugal entraram na União Europeia, Mario Soares proclamou: “o iberismo está morto”, na ideia de que não seria mais necessário. Penso exatamente o contrário: a União Europeia resgatou o iberismoe fez uma parte do sonho da Ibéria se tornar realidade. Os mecanismos da UE têm uma facilidade especial para o seu desenvolvimento na Península e proporcionam o bónus adicional da irmandade luso-espanhola.

O programa Erasmus ajudou muito… mas há outros mecanismos comunitários de que falaremos a partir do TRAPÉZIO: eurogiões, eurocidades, planos de infra-estruturas, harmonização dos regulamentos, que constroem a Europa. E também constroem a Ibéria.

Pablo Castro Abad é editor-adjunto de O TRAPÉZIO