Espanhol Português

Nos meus artigos anteriores, referi o domínio em Portugal da língua inglesa e o potencial dos portugueses como professores de inglês para hispanofalantes. Quem me conhece sabe que o inglês é importantíssimo para mim, que o uso todos os dias nas redes sociais, e que outrora sonhei em viver nos Estados Unidos e no Canadá. Por isso, o que vou dizer neste artigo poderá ser surpreendente: eu não defendo a supremacia da língua inglesa. Defendo, isso sim, a diversidade, a harmonia e a aceitação mútua. Aquilo que eu procuro, tanto no inglês como no português e no espanhol, são oportunidades de contribuir para a paz e a concórdia no mundo inteiro.

Os meus alunos perguntaram-me recentemente o que acho do Acordo Ortográfico e do perigo de o inglês causar o desaparecimento do português. Se tenho orgulho em Portugal? Tenho. Se devo promover a língua portuguesa? Claro que sim. Se não gostei da maneira como nos foi imposto o Acordo Ortográfico? Claro que não gostei. Mas dito tudo isto, a língua portuguesa não é exclusiva nem de Portugal nem do Brasil. Escrevo e ensino português com as regras do Acordo Ortográfico porque não tenho escolha, mas também em parte porque espero que isso possa ser uma modesta contribuição para uma amizade mais sincera entre Portugal e o Brasil. Qual é a relação entre isto e a língua inglesa? Simples: porque a concórdia é mais importante para mim do que qualquer língua. Para que servem as línguas se não as usamos para isso?

O que eu respondi aos meus alunos foi: não acho que o Acordo Ortográfico tenha sido uma boa ideia, mas não culpo o Brasil pelos nossos problemas, e também não acho que a língua portuguesa possa desaparecer de Portugal. Temos uma Constituição que diz que a nossa língua é a língua portuguesa. Fazer desaparecer o português implicaria mudar a Constituição; portanto, insistir que o inglês, ou o português brasileiro, vai fazer desaparecer o português europeu é um exagero. Também lhes disse que há uma coisa que me incomoda muito mais, porque para mim representa um perigo muito mais imediato e real para qualquer pessoa no mundo: a discriminação linguística.

Há quem ache uma tremenda falta de educação falar outras línguas na presença de pessoas que só falam inglês, chegando até a interromper conversas de desconhecidos só para exigir que falem inglês. Isto sim, irrita-me. Tendo em conta todos os casos de assédio em países anglófonos contra pessoas que falam outras línguas, e toda a demagogia xenófoba que tem sido fomentada, em primeiro lugar, pelo vexame da política norte-americana, irrita-me. Quem lhes dá o direito de tomar por garantido o privilégio de falarmos inglês? E não importa que aprender a falar idiomas seja um trabalho árduo e exija perseverança? Porque é que todos nós temos de nos esforçar sempre tanto para falar inglês, para conveniência e conforto deles, mesmo perante aqueles que não estão dispostos a fazer o mesmo gesto em troca e não estão interessados em saber nada de nós? Não é essa a verdadeira falta de educação? Acharão eles que lhes somos inferiores?

João Pedro Baltazar Lázaro