Todas as vidas importam e eles não passaram!

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Há uns meses, logo no início do meu trabalho aqui no EL TRAPÉZIO fiz um artigo contra o racismo (aqui está o link, caso queiram ler) e onde falo do caso de Cláudia Simões mas a esta lista, de vítimas de racismo por parte de forças da autoridade, podemos juntar os nomes de George Floyd e Igor (ucraniano morto pelo SEF logo no início desta pandemia).

Tal como tudo o que acontece nos Estados Unidos, a onda está a propagar-se pelo resto do mundo e também aqui na Europa tivemos passeatas contra o racismo. Lisboa e o Porto juntaram-se a outras cidades do velho continente para mostrarem que as “vidas negras” também importam mas deixem-me sublinhar que todas as vidas importam e que infelizmente, e não só por causa da triste doença pela qual todos estamos a passar, os direitos humanos estão a ser colocados em causa e para defendermos os “ideais de Abril” é necessário lutar não só contra o racismo mas, e especialmente, contra o fascismo encapotado e que actualmente vemos personalizado em personagens como Donald Trump, Jair Bolsonaro, Santiago Abascal pelo VOX e André Ventura.

Ao melhor estilo de Donald Trump, que na última semana decidiu atacar um dos seus únicos amores, o Twitter, André Ventura também decidiu visar esta rede social ao dizer que caso seja eleito (não esquecer que estas declarações foram proferidas após uma sondagem indicar que o CHEGA está em terceiro lugar nas indicações de voto, ultrapassando o Bloco de Esquerda), todos aqueles que escrevam algo de mal em relação a juízes ou polícia irão enfrentar processos judiciais.

Esta pressão nas redes sociais por parte do líder do CHEGA foi acompanhada pelo único voto contra medidas anti-racistas que foram discutidas no parlamento (esta atitude levou a que uma petição fosse lançada online para terminar um partido que seja contra ideais democráticos) ou por uma troca de palavras com personagens ligadas a cultura, como é o caso de Ricardo Araújo Pereira, Carolina Deslandes ou Agir. Mas voltando a polícia.

Devo dizer que não concordo com a visão de a polícia ser o grande vilão desta história e ir para as manifestações, como aquela que aconteceu na Alameda que encheu mesmo numa altura em que os números do Covid-19 estão a aumentar a cada dia que passa na capital, com cartazes contra as forças da autoridade e quase tão estúpido (peço desculpa pela palavra mas não tenho aqui o dicionário para encontrar outra definição) como o que aconteceu há uns meses, na altura em que falávamos da eutanásia, onde tínhamos a frase “Não matem os velhinhos!”. Concordo com a liberdade de expressão mas a pessoa que foi vista com um cartaz que dizia “Polícia bom, é polícia morto” já foi encontrado e será processado pelo sindicato do polícia.

Agora, nestas manifestações “espontâneas” e que foram seguidas, poucos dias depois, de um despejo de uma associação que apoia sem-abrigos e pessoas que estão a passar necessidades devido a pandemia do Coronavirus. Esta associação, “A Seara”, foi despejada de um edifício que ocupavam de forma ilegal e neste despejo, que aconteceu sem aviso prévio, levou a novo confronto com a polícia, o que ajuda a disseminar sentimentos negativos sobre a mesma.

Mas não matar é um dos principais ensinamentos cristãos e como boas pessoas que acredito que todos ansiamos ser um dia, as cores são apenas cores e se ainda não aprendemos isto, talvez esta comoção popular resolva esta situação mas infelizmente, e como céptica que sou, acredito que depois das manifestações terminarem (ao olhar para as pessoas nas ruas, nem parece que estamos a sair de um período de confinamento) nada vai melhorar. Tudo o que falámos no início, que a sociedade vai sair melhor, mais pura e reforçada, foram ideais míticos que agora, que voltámos a sair às ruas, passámos a deixar de lado.

A única coisa que nos relembra a situação em que estamos são as máscaras nas bocas que são uma protecção mas não 100% eficazes e talvez estes levantamentos populares levem a que os números subam ainda mais aqui junto ao Tejo, voltaremos ao mesmo. Espero que não mas existem mais Cláudias, Georges e Igores que demonstram que muita coisa tem que mudar mas se aprendermos e exigirmos mudanças.

Mudar mas mudar para o lado positivo e não regredir para ideais fascistas e que infelizmente andam a rodear-nos por tudo o que é lado e que nos traz lembranças do passado, especialmente olhando para território brasileiro. Mas este é um passado que não queremos nem podemos repetir e espero mesmo, que tal como o Pablo Castro disse no seu último artigo, que após o fim desta pandemia consigamos entrar nos dourados anos 20. Mas até lá, e sem querer entrar na situação ditatorial que aconteceu na Europa na década de 30, só podemos valorizar cada vez mais a vida, em todas as suas formas, e gritar, em plenos pulmões, “Não passaram!”.

 

Andreia Rodrigues é formada em jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social de Lisboa (ESCS) e é uma apaixonada por todas as formas de comunicação. Contar novas histórias e descobrir novas culturas é algo que move todos os dias

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário