Um elefante na sala

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Pedro Sánchez perdeu o seu estado de graça. E ele, fundamentalmente, por culpa da enorme influência que acumulou o seu todo-poderoso chefe de gabinete, Iván Redondo, convertido no Rasputín da Moncloa. No erro clamoroso da fracassada moção de censura na Região de Múrcia levou a humilhante derrota do candidato socialista nas passadas eleições antecipadas da Comunidade de Madrid, Ángel Gabilondo, colocou a descoberto a falta de credibilidade e a debilidade estrutural da liderança de Pedro Sánchez, que sofreu nocaute.

Da “fábrica” de Iván Redondo saiu o volumoso e ambicioso relatório “Espanha 2050. Fundamentos e propostas para uma estratégia nacional de longo prazo”, apresentado com pompa na semana passada no Museu Reina Sofia de Madrid. Recorde-se que Pedro Sánchez tem 30 meses para esgotar o seu mandato presidencial e que, nesta perspectiva, é uma audácia incomensurável projectar o futuro da Espanha para daqui a 30 anos.

Em primeiro lugar, porque é muito possível que, neste horizonte, Espanha já não exista como é. E o facto é que está em cima da mesa um projecto promissor de grande importância política e económica, que é o da reunificação ibérica, sob os auspícios e com a benção da União Europeia.

A reunificação ibérica é um grande elefante que temos na sala, mas que, sendo tão óbvio, ninguém consegue ver. A integração peninsular, em pleno século XXI, transformada num grande “hub” que conecta quatro continentes, possui um poder económico e demográfico extraordinário e imbatível. Este apêndice localizado no extremo sul da Europa é, na realidade, o “umbigo” do planeta, sobre o qual gira a inevitável convergência Europa e África e onde convergem as rotas transoceânicas do Leste e da América.

Para explorar este enorme potencial latente, fruto da nossa posição geoestratégica, única e privilegiada, é preciso que os políticos que governam em Espanha e Portugal abandonem os receios históricos, abram os olhos e actuem em consequência e com uma ambição sem limites. Conectar e unir o Atlântico com o Mediterrâneo, costurar a Península Ibérica: este é o nosso “elefante”, este é o grande desafio que os espanhóis e portugueses têm pela frente, este é o nosso “unicórnio”.

Enfrentar e acelerar o processo de reunificação ibérica multiplicará as cumplicidades dos povos que integram a comunidade peninsular, ancestralmente atolados e consumidos nas querelas cainitas estéreis. Esta é a chave que abre as portas ao progresso e ao bem-estar das novas gerações. Por isso, é marcante que o ponderado relatório “Espanha 2050. Fundamentos e propostas para uma estratégia nacional de longo prazo” não visualize esse “elefante” nem dedique nenhum de seus nove capítulos à exploração e prospecção de seus indiscutíveis benefícios. Trazendo a dimensão ibérica da Espanha.

A primeira delas, e não menos importante, é que a soma das populações de Espanha e Portugal nos tornaria automaticamente num país da primeira divisão europeia, ao mesmo nível da França ou da Itália. Isso resultaria uma maior representação e capacidade de influência e incidência no seio das instituições comunitárias, onde prevalecem os critérios demográficos.

Neste sentido, a miopia demonstrada por Iván Redondo, inspirador e promotor deste relatório prospectivo, é muito preocupante e incapacita-o como um “cérebro privilegiado” que procura desenhar e prescrever o nosso futuro coletivo. Espanha 2050? Iberia 2050!

Jaume Reixach

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário