Espanhol Português

Se a Europa não estivesse fechada em casa por causa da pandemia da Covid-19, a Holanda seria o país anfitrião da 65° edição do Festival Eurovisão da Canção. Este ano, tal como aconteceu com inúmeros eventos de larga escala, o maior concurso de música a nível mundial foi cancelado. Esta medida aconteceu depois de todos os países já terem escolhido os seus representantes.

Só que com o cancelamento da Eurovisão, o trabalho de inúmeros músicos e outros artistas que iriam fazer parte deste certame viram os seus trabalhos não serem mais considerados para uma nova edição, que só acontecerá em 2021.

Eurovisão, a música volta a unir os povos

Antes da volta da competição no formato que todos conhecemos, a cidade de Hilversum (que já tinha sedeado o maior espectáculo televisivo do mundo no longínquo ano de 1958) vai receber o evento “Eurovisão: Europe Shine A Light”, que será apresentado pelos holandeses Chantal Janzen, Edsilia Rombley e Jan Smit, pelo apresentador da BBC Graham Norton e pela youtuber NikkieTutorials.

A 16 de Maio, altura marcada para a grande final, será transmitido em directo este espectáculo especial que terá uma duração de duas horas vai contar com as 41 músicas que seriam apresentadas neste ano e que serão homenageadas num espectáculo sem votações e com mais surpresas marcadas.

Das 41 músicas que serão apresentadas, os dois países ibéricos (isto porque Andorra já não iria participar na edição deste ano) serão representados por Elisa, a intérprete de “Medo de Sentir”, e, por Espanha, Blas Cantó, que iria defender o tema “Universo”. A juntar a este espectáculo, alguns dos antigos participantes voltarão para actuarem em alguns dos mais icónicos locais do “velho continente”.

Para quem quiser acompanhar o programa “Eurovisão: Europe Shine A Light”, que será emitido por 40 estações de televisão, este poderá ser sintonizado na RTP (em Portugal), pelas 21 horas, ou na TVE (em Espanha), para além das redes sociais do evento.

 

“Medo de Sentir” (Portugal)

 

“Universo” (Espanha)