Guterres alerta para os neonazis e as armas nucleares

Secretário-Geral da ONU marca presença em Davos no momento em que se levantam questões sobre a produção de várias vacinas

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O secretário-geral da ONU, António Guterres, marca presença no Fórum Económico Mundial de Davos alertando para a necessidade de uma maior rapidez na produção e distribuição das vacinas contra a Covid-19, que já matou dois milhões de pessoas e deu um golpe profundo nas economias mundiais.

O português, que anteriormente já tinha destacado que não deve haver uma nacionalização das vacinas, destacou que a vacinação mundial deve ser feita de forma equitativa (algo que de momento não está a acontecer) e só com todos vacinados é possível sonhar com uma recuperação económica que não esqueça outro dois grandes desafios da humanidade, as alterações climáticas.

Para Guterres, se existe uma palavra que define o mundo contemporâneo é fragilidade e esta «é a hora da verdade». Uma maior solidariedade e cooperação internacional são dois dos pedidos do secretário-geral.

Perigo nuclear e ascensão neonazi

O equilíbrio mundial é colocado em causa quando um factor externo coloca em causa a existência da humanidade e um deles são as armas nucleares. O relógio que conta o tempo até a explosão de uma bomba nuclear já teve muito próximo das 12 horas (momento da detonação) mas a entrada em vigor do Tratado sobre a Proibição das Armas Nucleares levou a que os ponteiros desse relógio voltassem atrás. «Hoje, um mundo sem armas nucleares parece estar mais longe do nosso alcance», advertiu Guterres sobre os perigos das armas nucleares e de possíveis guerras que possam colocar em perigo o meio ambiente.

O titular da ONU felicitou os países que rectificaram esse acordo para o desarmamento nuclear, elogiando também o papel da sociedade civil na manutenção da paz. As cinco potências nucleares (Estados Unidos, Reino Unido, Rússia, China e França) ainda não assinaram este acordo que já conta com 50 países signatários e entra em vigor 75 anos após o lançamento da bomba atómica em Hiroshima.

António Guterres também pediu uma intensificação e aliança no combate a ascensão neonazi e a supremacia branca, xenofobia e discursos de ódio, provocados em parte pela pandemia, que estão a varrer várias latitudes, incluindo Portugal. Relembrando o 76.º aniversário da libertação do campo de concentração de Auschwitz-Birkenau, realizado virtualmente este ano por causa da Covid-19, Guterres demonstrou-se triste mas não surpreendido pela ascensão deste tipo de sentimentos. «Tragicamente, após décadas na sombra, os neonazis e as suas ideias estão agora a ganhar terreno», lamentou sobre a disseminação dos ódios que acontece, em parte, pelas fake news partilhadas pelas redes sociais.

Resiliência na educação em pandemia

Se houve algo que a pandemia da Covid-19 também mudou foi o ensino. Segundo a UNESCO, 800 milhões de estudantes estão a sofrer as consequências do ensino a distância.

Num período em que em vários países, inclusive Portugal, as escolas estão fechadas, o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, relembrou a resiliência de professores e alunos no Dia Internacional da Educação.

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário