Movimento «vacina para todos» ganha voz em Portugal

Van Der Leyen usou o discurso do estado da união para alertar um futuro «nacionalismo da vacina»

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Com uma população de pouco mais de 10 milhões de habitantes, Portugal tem, até ao momento, apalavradas cerca de 7 milhões de doses de uma futura vacina contra a Covid-19 (para Espanha espera-se 30 milhões de doses). Isto graças aos acordos com a União Europeia tem vindo a assinar com vários dos laboratórios que estão a fazer pesquisa neste ramo. Só que esta corrida a uma vacina está a fazer, segundo a presidente da Comissão Europeia, Úrsula Van der Leyen, que um novo nacionalismo cresça e a ONG Oxfam alerta que o chamado grupo de países ricos, e que representam 13% da população mundial, já adquiriu metade das futuras doses de vacina.

Contra esta possibilidade de a vacina só ser para alguns, mais de cem personalidades portuguesas, de vários sectores sociais e políticos, subscreveram a campanha «Vacina para todos» (que pode ser visitada em: www.vacinaparatodos.pt). Alguns dos subscritores são o ex-presidente da República Ramalho Eanes, o cardeal José Tolentino Mendonça, a antiga procuradora Joana Marques Vidal ou a médica e antiga ministra da Saúde, Ana Jorge.

A pandemia de Covid-19 aumentou ainda mais as desigualdades entre os cidadãos em várias áreas, incluindo a da saúde. O director executivo do Serum Institute of India, Adar Poonawalla, afirmou ao Financial Times que «não haverá vacina para todos até 2024» pois as companhias farmacêuticas não estão a aumentar a sua capacidade de produção com a rapidez suficiente para poder vacinar em simultâneo os 7,594 biliões de habitantes (números de 2018).

Vacina justa, universal e equitativa

Esta campanha defende o princípio da solidariedade e que a vacina deva ter um «acesso universal, justo, simultâneo e equitativo» que apoia uma iniciativa semelhante com a chancela do Prémio Nobel da Paz Mohammad Yunus.

A «vacina para todos» está cada vez mais perto de ser utópica e para que esta não seja exclusiva apenas para aqueles que tem dinheiro, já que esta é a única forma de combater na pandemia.

Segundo a OMS, a vacina deverá ser prioritária para os cidadãos mais velhos, profissionais de saúde e doentes crónicos. Os subscritores da campanha «Vacina para todos» pretendem que a Organização Mundial da Saúde criem um comité internacional para monitorizarem tanto as inúmeras vacinas que estão em fase de investigação como garantir uma igualdade de acesso a mesma.

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários