Espanhol Português

Embora o Brexit não tenha um efeito imediato no comércio, tem um efeito sobre as políticas europeias de despesas. A saída do antigo aliado de Portugal, a Grã-Bretanha, vai afetar significativamente ao país luso e a Espanha.

Pelo menos uma dezena de chefes de Estado e de Governo dos países do Sul e do Leste da Europa participaram no sábado na cidade portuguesa de Beja, na Cimeira dos Amigos da Coesão convocada pelo primeiro-ministro português, o socialista António Costa, num momento crucial para a União Europeia (UE). O primeiro-ministro português afirmou que “no dia do Brexit, contra a divisão, afirmamos a coesão. Em Beja, 2 Comissários e 17 Estados-Membros, do Báltico ao Mediterrâneo, do Atlântico ao Adriático, juntos por uma União Europeia mais coesa, mais próspera e mais solidária para todos”

O presidente do governo espanhol, o também socialista Pedro Sánchez, e Andrej Plenkovi, primeiro-ministro da Croácia, que detém a presidência da UE por sua vez, estão entre os líderes que estiveram presentes na reunião. A lista inclui ainda os primeiros-ministros da Polónia, Malta, República Checa, Eslováquia, Eslovénia, Estónia, Grécia, Hungria e Roménia, e os Comissários europeus do Orçamento, Johannes Hahn, e a Coesão, a portuguesa Elisa Ferreira.

O grupo “Amigos da Coesão” reúne países que defendem a manutenção das políticas tradicionais de coesão e das políticas agrícolas no próximo orçamento comunitário (2021-2027).

A Cimeira foi convocada há algumas semanas por Costa e surge num momento de incerteza para o bloco europeu após a saída do Reino Unido – que se concretizou ontem e terá um impacto superior a 10 mil milhões de euros por ano – e em plena negociação do orçamento. Esta possível diminuição da despesa afetará Espanha e, em particular, Portugal.

O grande obstáculo da negociação é que os países que mais contribuem para o orçamento comunitário não estão dispostos a ultrapassar 1%, enquanto aqueles que tradicionalmente receberam números mais elevados reclamam entre 1,1% e 1,3%.

Para o Governo espanhol, tanto a Política Agrícola Comum como a política de coesão continuam a ser úteis como vertebrados do território e têm também um papel de modernização na promoção da transição para uma economia mais verde, que é um objetivo transversal europeu.