Pascoais, o poeta ibérico e iberista que encantou a Catalunha

Teixeira de Pascoais foi o tema-chave de mais uma sessão dos Polibéricos

Comparte el artículo:

Compartir en facebook
Compartir en twitter
Compartir en linkedin
Compartir en whatsapp
Compartir en telegram
Compartir en email

A penúltima conferência do ciclo Polibéricos 2021 teve como figura central Teixeira Pascoais. Esta conferencia online, que tinha como objetivo demonstrar como o poeta português foi uma referência na literatura catalã, foi dada por Victor Martinez-Gil, da Universitat Autónoma de Barcelona. Durante esta apresentação, o especialista nas relações literárias entre Portugal e a Catalunha, explicou que o português esteve no centro de muitos dos acontecimentos que aconteceram no século XX.

A obra de Pascoais ficou conhecida um pouco por toda a Península Ibérica devido a uma fraternidade literária que unia Portugal e a Catalunha. Maristani acreditava que Pascoais era o principal poeta ibérico. Em 1918, ano em que o poeta foi mais referido na imprensa da Catalunha e da Andorra, Teixeira Pascoais viu o seu nome escrito em 107 artigos. «É o poeta português», explicou o professor da Universitat Autónoma de Barcelona que considera que o poeta no inicio do século XX foi o grande representante do lirismo português. Visto da mesma forma que Fernando Pessoa, a união da alma com a natureza era uma das características mais acarinhadas da sua obra.

Portugueses e Catalães, dois povos irmãos

Para além do seu trabalho literário, também era visto como um defensor da Catalunha. Durante as visitas que fez a região, conheceu figuras importantes como Ignasi Ribera i Rovira e Maragali. Este último considerava portugueses e catalães «dois povos irmãos» que compartilham um iberismo que é mais cultural que político. A saudade e o anyorament são dois sentimentos que aproximam os povos ibéricos. Pascoais esteve no meio da luta literária e política que estava a acontecer no inicio do século na Europa. «Pascoais foi visto como ibérico e iberista», explicou Martinez-Gil.

«A qualidade poética de Pascoais é moderna e tem uma capacidade de representatividade. Representa a cultura portuguesa na Catalunha», disse Martinez-Gil. O professor salientou que Teixeira de Pascoais, «ocupa um lugar predominante, no ponto de vista catalão, quando pensamos sobre a literatura portuguesa. Para Victor Martinez-Gil, que também é tradutor, a modernidade da literatura portuguesa é baseada pelo saudosismo.

O ciclo de conferencias online é organizado pela cátedra de estudos ibéricos da Universidade de Évora.

Noticias Relacionadas