Marcelo Rebelo de Sousa já indicou António Costa como primeiro-ministro

Após reunião com os partidos eleitos o presidente da República reconduziu Costa no cargo

Comparte el artículo:

Compartir en facebook
Compartir en twitter
Compartir en linkedin
Compartir en whatsapp
Compartir en telegram
Compartir en email

António Costa, que está em isolamento devido a infeção por Covid-19, foi reconduzido pelo presidente da República no cargo de primeiro-ministro. Depois de se reunir com os diferentes partidos eleitos nas legislativas, Marcelo Rebelo de Sousa indigitou de forma virtual o secretário-geral do PS. O partido mais votado, o último a ser ouvido, agora avança para a formação de Governo.

Numa nota emitida pela presidência é referido que «o Presidente da República comunicou ao Dr. António Costa, Secretário-Geral do Partido Socialista, a sua intenção de o indigitar como Primeiro-Ministro do XXIII Governo Constitucional». A formalização deverá acontecer apenas após a contagem dos votos dos círculos eleitorais da Europa e de fora da Europa. Esta contagem deverá acontecer nos dias 8 e 9 de Fevereiro. A tomada de posse deverá acontecer depois da primeira sessão da XV legislatura da Assembleia da República.

O próximo Governo português deverá ser mais pequeno e ter um mix entre novas figuras e caras já conhecidas. Duarte Cordeiro e Fernando Medina são possíveis ministros. Já Augusto Santos Silva e Mariana Viera da Silva deverá continuar com os seus cargos. No parlamento, onde os socialistas estão em maioria, Ana Catarina Mendes deverá continuar como líder da bancada parlamentar. Edite Estrela, histórico nome do partido, deverá suceder a Eduardo Ferro Rodrigues como presidente da Assembleia da República e segunda figura de Estado (atrás de Marcelo Rebelo de Sousa).

Rui Rio, um dos grandes derrotados da noite eleitoral portuguesa e eleito pelo círculo do Porto, deverá abandonar a liderança do partido até ao verão. Por outro lado, tanto Catarina Martins como Jerónimo de Sousa descartam mudanças nas chefias dos respectivos partidos e avançam que irão boicotar a eleição de um vice-presidente da Assembleia da República do Chega. Os quatro partidos mais votados nas eleições (PS, PSD, Chega e IL) dão ao hemiciclo o presidente e restante staff.

Noticias Relacionadas