Festival Solos Ibéricos, em Lisboa, volta a mostrar a criatividade luso-espanhola

Está a decorrer desde o dia 22 de outubro e termina a 20 de novembro. É a segunda edição da iniciativa do Teatro Ibérico

Comparte el artículo:

Dar palco a criações teatrais portuguesas e espanholas. É este o objetivo da associação Teatro Ibérico ao promover o Festival Solos Ibéricos, que vai já na segunda edição e arrancou no passado dia 22 de outubro com a apresentação de Stand Down, um solo do ator espanhol Ángel Fragua, radicado em Portugal.

Criado a partir dos contos do valenciano Félix Albo, o espetáculo faz uma viagem entre Espanha e Portugal, retratando memórias de infância que atravessam o olhar do adulto do presente. Sem grandes recursos cénicos, o importante é deixar-se levar pela dúvida da veracidade do que se ouve e estar preparado para rir, ficar sério ou até chorar, se for o caso.

Neste último fim de semana, nos dias 29 e 30 de outubro, foi a vez de assistir-se à comédia “televisiva” Mecha Show You, criada pela hispano-argentina Jimena Cavaletti. Com alguma sátira e muito humor à mistura, a artista transforma-se em Mecha, uma apresentadora de televisão que aborda temas como o êxito, o fracasso e o peso que a aprovação exterior tem na vida humana.

Segundo a diretora do festival e do Teatro Ibérico, Rita Costa, o balanço até ao momento é positivo. “Tem corrido tudo muito bem e estamos com boas expectativas para os próximos fins de semana. Espero agora uma maior adesão do público e uma grande parceria entre este e a proposta artística que aqui apresentamos para toda a família, desde os mais novos aos mais velhos”.

Para o próximo fim de semana, nos dias 4 e 5 de novembro, chega do Funchal o espetáculo Os qu’emigraRAM, uma criação de Ricardo Brito pensada em torno dos conceitos de emigração, diáspora e identidade madeirenses. “Partindo de uma recolha de testemunhos junto daqueles que ficaram deixando os olhos postos no m(ar), propomos uma viagem pelo mais íntimo das veredas e caminhos desta terra fértil, tentando perceber o que dela brota, se ainda restam razões para sorrir”, apresenta o autor do projeto.

Ainda dentro desta temática da migração, mas com um foco marcadamente mais feminista, entra em cena Samotracias nos dias 12 e 13. Uma criação de Carolina Santos baseada num excerto de um texto de Nicole Caligaris, na qual três atrizes incorporam um coro de mulheres com um mesmo objetivo: fugir. Em termos técnicos, este é um espetáculo trilingue (português, espanhol e francês), realizado pela produtora algarvia Mákina de Cena em coprodução com a Fundación Teatro Libre de Bogotá, e que envolve equipas de Portugal, Chile, Colômbia e França.

A encerrar a edição deste ano, nos dias 19 e 20, está o espetáculo Trilla, da companhia espanhola La Phármaco, que resulta do encontro entre a coreógrafa e bailarina Luz Arcas e a compositora e performer Le Parody. Juntas criaram uma espécie de proposta folclórica do século XXI, uma performance multidisciplinar com sucessão de imagens, danças e passagens sonoras que se relacionam com lamentos, guerras e referências marianas de um ponto de vista pagão.

Do Teatro Ibérico para um espaço ibérico

Foi durante a pandemia que Rita Costa e a sua equipa fizeram nascer o Solos Ibéricos, como conta a própria diretora ao EL TRAPEZIO. Da “necessidade de ver espetáculos” a acontecer em Lisboa, mas também noutros lugares, aliou-se a vontade de fazer extravasar alguma da cultura que se faz no país. “Portugal é um país tão pequenino, mas, apesar disso, é um país com uma cultura muito grande e rica. Por isso, o que quisemos fazer com este festival foi trazer um pouco dessa cultura espalhada um pouco por todo o nosso país até Lisboa”.

Mas dessa tomada de consciência até à concretização do festival deu-se um passo importante pelo meio: o de reconhecer a própria identidade do Teatro Ibérico. “Quisemos ir até à raiz deste nome e trazer dele uma linha imaginária entre a Península Ibérica, o nosso país vizinho que é Espanha, e uma noção de identidade. Aquilo que somos, o que procuramos, o que queremos comunicar”. Sem esquecer também quem fundou a companhia, o galego-português Xosé Blanco Gil.

E desse processo nasceu então o festival Solos Ibéricos, com uma primeira edição em 2021, cruzando a primeira palavra que traduz uma noção de espaço com a ideia de criatividade ibérica. Uma ideia que, nas palavras da diretora, deve ser “partilhada com todos”. “Queremos marcar a diferença, e isso faz-se dando lugar a todos. O nosso objetivo é, de facto, chegar aos nossos vizinhos espanhóis e criar uma sinergia entre espaços, artistas e o público”, destaca Rita Costa.

Noticias Relacionadas

Símbolos da JMJ em Sesimbra

Os símbolos da Jornada Mundial da Juventude, que vai acontecer no próximo ano no país, estiveram presentes na Paróquia do Castelo de Sesimbra. A presença