Morreu Fernando Echevarria, o poeta do pensamento

Poeta era filho de um português e de uma espanhola e foi um dos mais premiados escritores lusos

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Fernando Echevarria, o mais filósofo dos poetas portugueses, morreu aos 92 anos de idade, na cidade do Porto, após um internamento de alguns dias. O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, descreve-o como um «poeta do pensamento». A partida do poeta, que nasceu perto de Santander e era filho de mãe espanhola e pai português, coincidiu com mais uma comemoração da implantação da República e a queda da monarquia em terras portuguesas é um marco na história da sua família pois o pai se exilara no país vizinho na sequência do fracasso da Monarquia do Norte.

A educação de Echevarría foi feita entre Vila Nova de Gaia e Madrid, onde cursou na Universidade Humanidades, Filosofia e Teologia. Chegou a fazer noviciado em Nava del Rey, Valladolid. O Estado Novo fez que, tal como o pai já tinha feito, opta-se pelo exílio, primeiramente na Argélia e depois em França, país escolhido por vários portugueses na mesma situação. Durante este período foi um combatente político e militou na LUAR, movimento de ação revolucionária.

A volta a Portugal aconteceu na década de 80. Escrevia habitualmente em português mas também tinha prosa escrita em francês e em espanhol. A sua primeira publicação, «Entre dois anjos» data de 1956 e ao longo da sua carreira publicou mais de duas dezenas de livros e colaborou com a imprensa portuguesa e brasileira.

O poeta, que trabalhou até bem perto do fim da sua vida, está representado na «Antologia de la Nueva Poesia Portuguesa» e na «Antologia de la Poesia Portuguesa Contemporánea». A sua poesia está traduzida em diversas línguas, como é o francês, espanhol e o italiano. Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique e agraciado pelo governo português com a Medalha de Mérito Cultural, Fernando Echevarría defendia que a poesia tinha como «destinatário direto o povo» e não era pertença única de uma elite cultural. Echevarría era um dos mais conceituados e premiados escritores portugueses.

Noticias Relacionadas