Cromeleque dos Almendres, o Stonehenge ibérico

O Monumento Nacional é um dos inúmeros sítios arqueológicos que podem ser encontrados em Évora

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Em Évora, região densamente povoada por sítios arqueológicos pré-históricos que vão até a Idade do Ferro, podemos encontrar o Cromeleque dos Almendres. Este monumento do fim do VI milénio a .C. é a estrutura do megalítico, do seu tipo, mais importante da Península Ibérica. Este sitio arqueológico é um dos mais importantes da Europa não só pela sua dimensão mas também pelo seu estado de conservação. O cromeleque e o menir, que no Solstício de verão aponta ao nascer do sol, são Monumento Nacional desde 2015. 

A sua mística, este é um lugar internacionalmente reconhecido, faz com o visitante seja transportado para um período distante. Uma época onde os druidas marcavam a passagem do tempo e onde os animais de grande porte passeavam pela planície alentejana. Os primeiros seres humanos que colocaram os olhos nesta construção caçavam com primitivas lanças numa península Ibérica onde o sedentarismo começou há sete mil anos. A construção do Cromeleque dos Almendres teve em conta a movimentação do sol e da lua. Este sitio está rodeado de uma floresta de montado composta por sobreiros e azinheiras.

Situado no topo de um monte de 413 metros de altitude e a 12 kms de Évora, o Cromeleque dos Almendres é um círculo de pedras de granito que podem ter entre 2.5 a 3 metros de altura. Este monumento pré-histórico é composto por 95 monólitos de pedra. Chegou a ter uma centena. Algumas destas pedras apresentam figuras rupestres que podem ser associadas a agricultura e a criação de animais. Os cromeleques eram locais de culto. O de Évora, que foi criado no período da pedra polida, foi descoberto em 1964 e é mais antigo que o Stonehenge.

Para conhecer este e outros monumentos é possível fazer o Tour Megalítico em Évora, que parte da cidade e tem um custo de 95 €.

Extremadura guarda dólmen milenar debaixo de água

Na Extremadura, e após um pântano nos povoados de Peraleda de la Mata e El Gordo (em Cáceres) ter secado, pode ser visitado o milenar dólmen de Guadalperal. Este monumento data de entre o II e o III milénio A.C. e ficou submerso a partir de 1963 devido a construção de uma barragem. O dólmen, que é visto como um ponto turístico bastante apetecível, é formado por 140 pedras de grandes dimensões. Estas também estão colocadas em forma de círculo, tal como acontece no Stonehenge. Sendo somente visível quando o nível das águas do Tejo permitem, na região existe a discussão se este monumento deve ser resgatado e levado para outro lugar ou se deve seguir onde está.

Noticias Relacionadas

Los dilemas de la Eurociudad Puerta de Europa

¿Desarrollismo o integración? Es quizá el principal dilema de la futura Eurociudad Puerta de Europa. Tras superar los plazos burocráticos para constituirse en Agrupación Europea

Deja un comentario