Iliteracia histórica?

Comparte el artículo:

Recentemente li um artigo, cujo título incluía a pergunta retórica «Vale a pena continuar a existir?», que «tristemente» acusava os portugueses que desejam a união com Espanha de «iliteracia histórica, económica e social». Igualmente lamentava a «perda de importância de Portugal» após 1974, fazendo pensar que o autor preferia que regressássemos aos tempos da ditadura e da guerra colonial; isso sim, é triste. A quantidade de «fascistas de armário» que ainda existem na Península Ibérica, após tudo o que os nossos países sofreram por causa da ditadura, isso sim, é lamentável.

Primeiro ponto: artigos como este só vêm acrescentar confusão ao debate. Já se decidiu, entre os iberistas, que não se alterará a soberania de Portugal nem de Espanha. A ideia de unir os dois países num só é uma utopia, não um objetivo. Se a criação de uma «Ibéria» significa o fim de Portugal, também significa o fim de Espanha. Garanto que não é isso o que os iberistas querem. Aliás, o espanholismo português não é iberismo. Seria bom distinguir as duas coisas. A Ibéria, se existisse como um só país, teria a missão de preservar todas as línguas e culturas da Península Ibérica, em harmonia, sem que uma se sobrepusesse às outras. Não se trata de subjugar Portugal à cultura espanhola, fazendo desaparecer a portuguesa, nem muito menos do medo absurdo de pessoas como a que escreveu aquele artigo: a anexação de Portugal. Se assim fosse, já nem eu estaria a escrever em português. O objetivo é a criação de uma entidade supranacional na Península Ibérica, à qual poderíamos chamar Conselho Ibérico, mas na qual os dois países manteriam a sua independência, assim como a sua identidade cultural. Seria um organismo que consolidaria a soberania portuguesa, não que a poria em causa. Portanto, podemos deixar-nos de disparates, por favor?

Segundo ponto: recentemente comemorou-se o 650º aniversário da aliança luso-britânica. Os britânicos são nossos amigos, sim, mas porquê celebrar uma aliança à qual os próprios ingleses não dão valor? Já nos esquecemos da história dos amigos de Peniche? E do ultimato de 1890? E dos problemas que o Brexit causou aos portugueses? E do facto de pelo menos três jornais britânicos terem usado o acrónimo PIGS (porcos), que inclui Portugal, para se referirem aos países do sul (que, como disse um certo holandês em 2017, gastam todo o dinheiro em vinho e mulheres)? Desculpem a franqueza, mas eles estão-se a borrifar para nós. Não somos livres para pensarmos por nós próprios? Porquê perpetuar a desconfiança cega contra os espanhóis e perpetuar a confiança cega nos ingleses? A desconfiança cega roça o ódio, e o ódio é o fundamento da xenofobia, e a xenofobia é a justificação para não recebermos respeito rigorosamente nenhum.

Tenho muita estima pelos ingleses, sim, mas também quero respeito por Portugal. E, já agora, também por Espanha. Posso perdoar, mas quero que o outro lado («os do Norte») mostre que compreende que não nos pode tratar a nós («os do Sul») como lhe der na gana. E os espanhóis iberistas já deram mais sinais que os ingleses de compreenderem as coisas que nos entristecem, porque pelo menos eles disseram que não é ao tempo dos Filipes que querem voltar connosco, e pelo menos eles estão a mostrar algum respeito e a tentar aprender português. Portugal tem muitos amigos em Espanha, entre os quais estão os iberistas.

Iliteracia histórica, uma ova. Conselho Ibérico JÁ!

 

João Pedro Baltazar Lázaro

Noticias Relacionadas

Iberia en datos

Los principales indicadores sobre la realidad de la península ibérica e islas son fundamentales para entender, analizar y valorar las posibilidades de las relaciones entre