Novo dinossauro ibérico foi descoberto no Cabo Espichel

Sesimbra é uma das localidades portuguesas mais importantes para a paleontologia

Comparte el artículo:

Compartir en facebook
Compartir en twitter
Compartir en linkedin
Compartir en whatsapp
Compartir en telegram
Compartir en email

O Cabo Espichel, no concelho de Sesimbra, foi o cenário de mais uma descoberta paleontóloga. Há um novo dinossauro ibérico com 130 milhões de anos. Neste cabo é possível ver mais de 600 pegadas de dinossauros. Estas pegadas foram inspiração para uma cena do filme Jurassic Park, de Steven Spielberg. A cena é onde se vê braquiossauros andar em manada. A Pedra da Mua e os Lagosteiros são dois dos locais arqueológicos mais importantes de Sesimbra.

No Parque Augusto Pólvora, na Maçã, é possível ver uma estátua de um dos gigantes que habitava em Sesimbra. As pegadas, datadas de 129 milhões de anos, são de carnívoros e herbívoros que cruzaram esta região litoral que antes de ser um promontório era um enorme pântano. As pegadas no Cabo Espichel foram explicadas pela religião como sendo as patas da mula que transportava Maria grávida. Foi desta forma que foi criada a lenda de Nossa Senhora do Cabo Espichel.

Esta descoberta aconteceu pela primeira vez em 1999, graças ao paleontólogo amador Carlos Natário, e foi agora apresentada ao público. Este fóssil foi apelidado pelos paleontólogos Octávio Mateus e Dario Estraviz-López, da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) da Universidade Nova de Lisboa, como Iberospinus natarioi («espinho ibérico», em português). Este era um dinossauro aquático com um grande gosto por peixe. Os investigadores acreditam que devem existir ovos de dinossauro no Cabo Espichel. Este tipo de dinossauro espinossaurídeo é o terceiro nomeado na Península Ibérica.

Na Península Ibérica houve uma grande variedade destes grandiosos animais.

Noticias Relacionadas