Con el patrocinio de:

Reabilitação do Ramal de Sines vai permitir o aumento das exportações para Espanha

Contratação de profissionais acompanha novos investimentos no Complexo Industrial de Sines

Comparte el artículo:

Compartir en facebook
Compartir en twitter
Compartir en linkedin
Compartir en whatsapp
Compartir en telegram
Compartir en email

A Repsol Polímeros está a contratar, durante o último trimestre deste ano e ao longo do próximo, 100 pessoas para o Complexo Industrial de Sines. Estas oportunidades de emprego, em diversas áreas, surgem devido ao investimento de 657 milhões de euros que a energética espanhola anunciou e que será o maior em território luso nos últimos 10 anos. A expansão do complexo que a Repsol tem em Sines deverá estar concluída em 2025 e é visto como um projeto de interesse nacional.

A construção de uma fábrica de polietileno linear e uma fábrica de polipropileno, cada uma com uma capacidade de 300.000 toneladas por ano, vai levar a criação de mais 75 empregos directos e 300 indirectos. As tecnologias que vão ser utilizadas nestas fábricas serão pioneiras na Península Ibérica. O reforço da aposta em Portugal acontece, segundo Albino Gomes, director de Pessoas e Organização, está relacionado com a qualificação dos profissionais portugueses: «Portugal tem demonstrado capacidade para formar profissionais de excelência».

Ramal de Sines vai facilitar a ligação com Espanha

O Ramal de Sines vai ser reabilitado num investimento de 6 milhões de euros e que deverá ficar terminado em 2024. Estas obras vão levar a uma renovação integral da estrutura da via, que tem um troço de sete quilómetros, a construção de uma nova concordância com cerca de um quilómetro e respectiva electrificação e a instalação de sistemas de sinalização eletrónica e de telecomunicações.

Esta ligação vai permitir uma ligação mais rápida e eficiente entre o complexo petroquímico da Repsol em Sines ao Terminal XXI e a Espanha. O tráfego, após a conclusão da obra, seria de oito comboios por semana para Espanha e quatro para o porto de Sines. Numa nota enviada a imprensa, é explicado que «o investimento em curso no Corredor Internacional Sul teve um papel muitíssimo relevante na decisão da Repsol, dado o peso das exportações para Espanha destas duas novas fábricas».

Noticias Relacionadas