Espanhol Português

O CaixaBank avança a sua estratégia de preparação para o advento da computação quântica. Depois de realizar com sucesso os primeiros testes de computação quântica reais para estudar aplicações desta tecnologia para o negócio financeiro, o banco deu um passo mais além e desenvolveu o primeiro algoritmo de aprendizagem automática para a classificação de risco da banca espanhola usando a computação quântica.

A entidade, presidida por Jordi Gual e cujo CEO é Gonzalo Gortázar, torna-se assim a primeira entidade espanhola a aplicar um esquema de computação híbrida – que combina durante o processo de computação quântica e computação convencional em diferentes fases do processo – a classificar os perfis de risco de crédito. Para tal, o CaixaBank utilizou um conjunto de dados públicos (conjunto dedados públicos), correspondente a 1.000 alegados utilizadores, com um perfil muito semelhante aos clientes reais, mas com informação completamente figurativa para a realização do teste.

Com este projeto, a entidade melhora na simulação de cenários de risco ede aprendizagem automática,onde os algoritmos estão a tornar-se mais complexos e exigem grandes quantidades de dados para aprender, ao mesmo tempo que avança a sua análise de aplicações de computação quântica. Os resultados deste teste, que demonstra que a computação híbrida permite resultados comparáveis aos oferecidos pela solução clássica em menos tempo, serão publicados em maior detalhe em canais especializados para insights comunitários.

Os computadores quânticos baseiam-se nas propriedades dos supercondutores, que integram as suas unidades de processamento, qubits, em vez de bits clássicos. Graças a estas propriedades, tem a capacidade de processar uma multiplicidade de variáveis e estados ao mesmo tempo, alcançando uma capacidade computacional que cresce exponencialmente com o número de qubits.

A computação híbrida tira partido desta vantagem exponencial da computação para o cálculo complexo dos parâmetros de otimização de algoritmos de aprendizagem automática e combina-os com métodos de computação clássicos, aproveitando o melhor de ambos os mundos. Ao aplicar algoritmos híbridos (quânticos e clássicos) em análise de risco, chega-se às mesmas conclusões que com o método clássico em muito menos tempo.

Primeira entidade em Espanha a trabalhar com a computação quântica

Antes deste desenvolvimento, o CaixaBank promoveu um projeto de realização de simulações de avaliação de risco de ativos financeiros. Neste campo, a entidade implementou um algoritmo quântico capaz de avaliar o risco financeiro de duas carteiras criadas especificamente pelo projeto a partir de dados reais, uma de hipotecas e outra de obrigações do Tesouro.

Com a concretização destes projetos, o CaixaBank tornou-se a primeira entidade em Espanha e uma das primeiras do mundo a incorporar a computação quântica na sua atividade de inovação.

Este exercício permitiu à entidade treinar na implantação de versões quânticas de algoritmos clássicos e validar a convergência da solução quântica. É essencial que o CaixaBank invista na exploração do potencial de utilização que a computação quântica tem para as várias áreas do negócio financeiro, embora as primeiras aplicações comerciais possam demorar algum tempo a chegar. O CaixaBank continuará a explorar os casos de utilização e o potencial disruptivo da computação quântica no mundo financeiro.

CaixaBank, líder em inovação

O CaixaBank investe continuamente em tecnologia para responder às necessidades dos clientes, garantir o seu crescimento, adaptabilidade às necessidades empresariais e disponibilidade contínua de informação. Isto garante uma adaptação total da infraestrutura às necessidades de gestão financeira e atendimento ao cliente e para uma garantia de segurança completa.

Isto implica um compromisso contínuo com tecnologias emergentes e pioneiras, desde blockchain a robótica até inteligência artificial e computação quântica.

Este interesse pela transformação digital, constante na história do CaixaBank, permitiu à entidade ter a maior base de clientes digitais em Espanha (6,5 milhões). Além disso, o CaixaBank tem desenvolvido projetos que marcaram marcos tecnológicos no setor, como a criação dos primeiros caixas que permitem fazer levantamentos através do reconhecimento facial e sem ter de entrar no PIN, um projeto escolhido como um dos Projetos Tecnológicos do Ano nos Tech Awards da revista The Banker.

Graças à sua estratégia de transformação digital, o CaixaBank tem sido um dos bancos mais valorizados do mundo pela qualidade dos seus produtos e serviços digitais. Em 2019, o banco foi reconhecido como a Melhor Transformação Bancária na Europa Ocidental pela revista Euromoney, e o Banco Mais Inovador da Europa Ocidental pela revista norte-americana Global Finance. Além disso, foi reconhecida como a melhor entidade bancária privada do mundo pela sua comunicação digital aos seus clientes, nos Wealth Tech Awards da revista PWM, do grupo Financial Times.