Com o patrocínio de:

CaixaBank obteve um lucro atribuível de 726 milhões de euros O rendimento do núcleo permanece praticamente estável

<span class="entry-title-primary">CaixaBank obteve um lucro atribuível de 726 milhões de euros</span> <span class="entry-subtitle">O rendimento do núcleo permanece praticamente estável</span>

Espanhol Português

O Grupo CaixaBank, presidido por Jordi Gual e liderado por Gonzalo Gortázar, obteve um lucro atribuível de 726 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, menos 42,6% do que no mesmo período do ano anterior, depois de ter feito, nestes primeiros nove meses, uma provisão extraordinária de 1.161 milhões de euros e antecipando assim impactos futuros devido aos efeitos económicos da COVID-19.

Esta provisão manteve-se praticamente estável no terceiro trimestre (1.155 milhões de euros no final de junho), uma vez que a mesma metodologia foi aplicada no final do trimestre anterior e manteve a mesma ponderação dos cenários macroeconómicos atualizados.

A evolução anual também afeta o recorde de 109 milhões associados às pré-reformas no primeiro trimestre de 2020. Além disso, os resultados de 2019 ficaram marcados pelo impacto do acordo de trabalho (978 milhões de euros).

Estes resultados não incluem o registo das mais-valias resultantes da venda de 29% do Comércio no valor de 420 milhões de euros no início do quarto trimestre de 2020.

O rendimento do núcleo permanece praticamente estável

Apesar da dificuldade associada ao contexto económico atual, o rendimento de base mantém-se praticamente estável no ano e situa-se nos 6.158 milhões de euros (-0,7%).

A margem de juro ascende a 3.647 milhões, -2,0% face ao mesmo período de 2019, sobretudo devido à diminuição dos rendimentos do crédito, devido à diminuição da taxa de juro aplicada, em parte associada ao aumento do crédito à habitação, à redução dos rendimentos do crédito ao consumo e à diminuição da curva da taxa. Esta situação foi parcialmente compensada por um aumento do volume.

As receitas da Comissão permanecem estáveis no mesmo período do ano anterior, situando-se em 1,905 milhões. O declínio da atividade económica e o impacto no mercado influenciaram a evolução face ao mesmo trimestre do ano anterior (-2,7%), embora apresentem uma evolução positiva face ao segundo trimestre de 2020 (+4,9%).

A receita proveniente da atividade de risco de seguro de vida situa-se em 441 milhões de euros, com um crescimento sólido de +8,5% face ao período homólogo de 2019 e +6% face ao trimestre anterior (+4,7% face ao mesmo trimestre do ano anterior).

Na evolução da margem bruta (-5,3%) influencia essencialmente a redução do resultado das transações financeiras e o resultado das ações. O resultado das transações financeiras é de 182 milhões de euros (-36,3%). A sua evolução marca-se, em parte, pelo aumento da materialização das mais-valias em ativos de rendimento fixo no ano anterior.

No que diz respeito aos rendimentos da carteira de ações, os proveitos de dividendos incluem, no segundo trimestre, o dividendo da Telefónica e o dividendo do BFA de 50 milhões e 40 milhões de euros, respectivamente (104 milhões e 46 milhões de euros em 2019). Os resultados das entidades participantes diminuem em -36,4% pelo registo dos resultados mais baixos atribuídos no quadro da atual área económica.

Os custos de administração e amortização recorrentes são reduzidos em -3,1% após a gestão da base de custos. Os custos com pessoal diminuíram -4,6%, resultando em poupanças associadas ao acordo de trabalho de 2019 e às pré-reformas de 2020, o que compensou, entre outros, o aumento vegetativo. As despesas gerais também diminuem em -1,7% no ano.

No aumento da depreciação (+1,6%) influencia o esforço de investimento nos projetos de transformação da entidade.

O esforço de redução de custos, com uma diminuição homólogo de -3,1%, superior à redução da receita de base (-0,7%), permite a melhoria do rácio de eficiência de base em 1,6 pontos percentuais.

Volume de negócios recorde

O volume de negócios (créditos+recursos) dos primeiros nove meses do ano ascende a 646.299 milhões de euros, o valor mais elevado desde a criação do CaixaBank. O crédito bruto ao cliente atinge os 241.877 milhões de euros, com um crescimento de +6,4% no ano, principalmente em resultado do aumento do crédito às empresas (+17,6%).

Os recursos de clientes ascendem a 404.422 milhões de euros a partir de 30 de setembro de 2020 (+5,2% no ano e +0,9% no trimestre), impulsionados pelo forte crescimento dos depósitos à vista (+12,6% e +2,0% no ano e trimestre, respetivamente), num contexto em que as famílias e as empresas têm gerido as suas necessidades de liquidez.

Os ativos sob gestão, no valor de 100.828 milhões de euros, são reduzidos no ano, essencialmente, pela evolução negativa do mercado no primeiro trimestre, com recuperação parcial nos meses seguintes. O crescimento trimestral de +2,3% é o resultado do desempenho positivo do mercado, bem como das subscrições líquidas positivas no ano e no trimestre.

Os ativos geridos em fundos de investimento, carteiras e sicavs 67.166 milhões de euros (-2,1% no ano e +2,4% no trimestre) e planos de pensões atingem 33.662 milhões de euros (-0,2% no ano e +2,1% no trimestre).

Mais de 7 milhões de clientes de todos os canais digitais

O CaixaBank registou no final de setembro 7,07 milhões de clientes digitais, os dados mais elevados da história da entidade e a maior base de clientes digitais de um banco em Espanha. O valor representa um crescimento de 8,6% face ao mesmo mês do ano anterior. Com os dados de setembro, 66,1% dos clientes da entidade, entre os 20 e os 74 anos, utilizam as suas aplicações móveis.

O crescimento dos clientes digitais é impulsionado pelo forte aumento do canal móvel, que fechou setembro com 6,28 milhões de utilizadores das “apps” do CaixaBank, 13,7% acima dos dados de setembro de 2019.

Liquidez e solvência, em níveis ideais

O total de ativos líquidos ascende a 110.729 milhões de euros – o valor mais elevado atingido pela entidade – com um crescimento de 21,3 mil milhões de euros no ano, principalmente devido à geração e contribuição de garantias para a política do Banco Central Europeu.

O Rácio de Cobertura de Liquidez (LCR) do Grupo a partir de 30 de setembro de 2020 é de 280%, mostrando uma posição de liquidez frouxa (224% média CSF nos últimos 12 meses), bem acima do mínimo exigido de 100%.

No terceiro trimestre, o CaixaBank emitiu uma Obrigação Social no valor de mil milhões de euros com o objetivo de mitigar os efeitos da Covid-19 através do financiamento às PME e às microempresas localizadas nas zonas mais desfavorecidas de Espanha.

No que diz respeito à gestão de capital, o rácio Common Equity Tier 1 (CET1) atinge 12,7% proforma considerando a venda parcial da Trading (12,5% sem considerar).

Durante os primeiros nove meses, são recolhidos +32 pontos básicos para o impacto extraordinário da redução de dividendos de 2019, bem como +51 pontos básicos para o impacto da aplicação do ajustamento transitório das IFRS9 e +20 pela venda parcial de Trading. Os restantes desenvolvimentos acumulados até setembro são de -38 pontos básicos (+45 pontos básicos de variação orgânica, -21 pontos básicos para a previsão de dividendos para o ano e -62 pontos básicos de evolução do mercado e outros).

Contenção de delinquência com uma boa gestão de riscos

O rácio de delinquência é reduzido no ano para 3,5% (-10 pontos base) e o rácio de cobertura é aumentado para 65% (+10 pontos percentuais no ano seguinte ao reforço das provisões). O custo de risco de 12 meses é de 0,67%.

Os saldos duvidosos aumentam no ano de 284 milhões de euros, em parte devido à menor atividade de recuperação durante o estado de alarme, embora destaque para a redução do trimestre no valor de 141 milhões de euros com uma queda em todos os segmentos de risco.

A carteira de prémios líquidos disponíveis para venda em Espanha é de 973 milhões de euros e o rácio de cobertura é de 40%. As vendas totais de imóveis em 2020 são de 254 milhões.

Forte compromisso com os clientes e a sociedade para continuar a apoiar a economia

Desde meados de março que o CaixaBank tem vindo a operar em todos os momentos como prestador de serviços essenciais, agindo com um elevado grau de compromisso com a sociedade e os seus clientes graças ao trabalho dos mais de 35.000 colaboradores do grupo. A entidade garantiu financiamento a empresas e particulares e continua a apoiar os setores mais afetados pela pandemia.

Até 30 de setembro, a entidade aprovou um total de 383.768 pedidos de moratória por parte dos seus clientes em Espanha, com uma diminuição significativa no terceiro trimestre. As moratórias afetam uma carteira de 11 mil milhões de euros, 5% da carteira total de crédito do CaixaBank. Enquanto parceiro da CECA, para além da aderência à moratória do crédito hipotecário e ao consumo do governo, apoiou a moratória sectorial, alargando a duração das moratórias legais sobre o pagamento destes empréstimos e estendendo-os para além dos grupos vulneráveis incluídos no Decreto Real.

Por outro lado, desde o início do estado de alarme até 30 de setembro, o CaixaBank concedeu 51,53 mil milhões de euros ao sector empresarial, para além das linhas da ICO, destinadas a facilitar o financiamento de grandes empresas, PME, freelancers e empresários, para aliviar os efeitos económicos da pandemia no tecido produtivo. Além disso, desde o início da comercialização das linhas ICO COVID-19, o CaixaBank conseguiu mais de 188.000 pedidos de empréstimo, num total de 15.071 milhões de euros, tendo a procura sido moderada no trimestre. 76% do montante desembolsado destina-se a trabalhadores independentes e PME.

Desde o início da crise coVID-19, sob o lema #ContigoMásQueNunca, o CaixaBank ativou um pacote abrangente de medidas com o objetivo de mitigar os efeitos económicos e sociais e, desta forma, responder às necessidades dos grupos mais afetados, como o avanço dos subsídios de desemprego e a suspensão temporária do emprego para 3,6 milhões de pessoas; o perdão do arrendamento das casas detidas por 4.800 famílias e a colaboração com a Fundação Bancária “la Caixa” através, entre outras iniciativas, do programa de voluntariado do CaixaBank ou das atividades do Serviço Social Descentralizado.

Aumento da ligação ao cliente

Durante o estado de alarme, a entidade manteve aberta a grande maioria dos seus escritórios (entre%-90%) em 97% dos mais de 2.000 municípios em que o CaixaBank está presente. Hoje, 99% da sua rede está operacional. Possui ainda a maior rede de caixas multibanco em Espanha, com 8.852 terminais.

Neste ambiente complexo, durante os meses de julho, agosto e setembro, os níveis de atividade têm vindo a recuperar gradualmente, com melhor desempenho face ao trimestre de 2019 e um aumento da ligação com os clientes, que aumentaram 1,8 pontos percentuais no último ano, para 63,3% face ao total de clientes. Neste sentido, o volume de negócios cresceu 34.607 milhões no ano (2.668 no terceiro trimestre), para 646.299 milhões de euros (+5,7%).

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Canal de youtube