Espanhol Português

Espanha e Portugal comunicaram a Comissão Europeia um aumento das possibilidades da pesca da sardinha Ibérica. Este número vai aumentar até às 19.106 toneladas, de acordo com a decisão conjunta adoptada por ambos os países.

Existe um duplicamento da quantidade que se fixou provisoriamente no início da campanha de pesca iniciada a 1 de Maio.

Segundo informou o Ministério da Agricultura, Pesca e Alimentação, esta actualização dos limites de captura se baseia na nova avaliação científica disponível, publicada pelo Conselho Internacional da Exploração do Mar (ICES), que havia sido solicitada por ambos os países em virtude da informação científica obtida nesta primavera, principalmente pelo navio oceanográfico “Miguel Oliver”.

A avaliação do CIEM confirma que a biomassa da população ibérica de sardinha sofreu um aumento significativo, o que mostra que as medidas e esforços de gestão realizados nos últimos anos estão cumprindo os objectivos estabelecidos.

Por esse motivo, Espanha e Portugal concordaram em aplicar a regra de exploração (considerada pelo CIEM como precaução no final do ano passado), que permite a continuação desse caminho de recuperação, com o objectivo de 2023 estabelecido.

Para pesqueria de 2020, a aplicação da regra de exploração significativa está dentro do acordo de distribuição entre os dois países e representa uma quantidade disponível para a frota espanhola de 6.400 toneladas, o dobro da quantidade esperada no início da pesca.

Este aumento beneficiará principalmente as redes de cerco como aquelas que temos na Cantábria e no Noroeste. A rede de cerco no Golfo de Cádiz e as frotas artesanais, como as que trabalham com as artes de xeito, racú e piobardeira, dentro das chaves de distribuição estabelecidas na Ordem Ministerial de 1 Junho de 2018, estabelecem um plano de gestão e recuperação da sardinha das águas ibéricas.

Âncora e Jurel

Por outro lado, o CIEM também publicou avaliações científicas para as populações de biqueirão e carapau, de Finisterra ao Golfo de Cádiz. O que mostra uma melhora na sua situação biológica. Por esse motivo, o CIEM recomendou um aumento nas capturas de ambas as espécies de cerca de 50 e 10%, respectivamente, e que serão corrigidas em breve.

Em concreto, o incremento das capturas do biqueirão servirão para fixar a quota disponível para o próximo período de gestão, que vai de 1 de Julho de 2020 a 30 de Junho de 2021. No caso do jurel, a recomendação científica será utilizada para fixar a quota disponível para o ano de 2021, pelo Conselho de Ministros da Pesca da União Europeia, no próximo mês de Dezembro.