Espanhol Português

O plenário do Consorci da Zona Franca de Barcelona (CZFB) aprovou as contas anuais de 2019, que registam um lucro superior a 14,1 milhões de euros e um resultado líquido de 55,5 milhões de euros. O CZFB consolida mais um ano a tendência positiva do aumento do volume de negócios e da redução do endividamento financeiro, que fechou no ano passado em 24,1 milhões de euros. Os gastos operacionais ascenderam a 49,5 milhões.

A entidade realizou a sua sessão plenária, presidida pela presidente da câmara municipal, Ada Colau,e também chefiada pela delegada especial do Estado na CZFB, Pere Navarro. Além de validar as contas de 2019, o plenário abordou também o curso do consorci, destacando o importante papel da organização como dinamizador da economia e destacando o seu contributo fundamental no renascimento após a crise covid-19. Os dois eixos em que a empresa pública trabalha para isso são o impulso da BNEW, o primeiro grande evento para o renascimento da economia, concebido como um evento B2B híbrido e totalmente disruptivo que se realizará entre 6 e 9 de outubro em diferentes enclaves únicos de Barcelona. Além disso, a Consorci trabalha para a inauguração da DFactory, um polo tecnológico para a promoção e desenvolvimento da Indústria 4.0, prevista para o final do ano.

O Delegado especial de Estado do CZFB quis sublinhar a importância do esforço da Consorci para se adaptar a um contexto completamente alterado e antecipar as necessidades dos diferentes sectores em que trabalha. Segundo Pere Navarro, “o nosso objetivo é contribuir para ajudar as empresas do nosso ambiente, bem como a cidade de Barcelona, a emergir reforçadas a partir deste momento de incerteza”.

Dinâmica para a transformação de negócios

Consorci é uma empresa pública que é financiada inteiramente com fundos próprios, como os arrendamentos industriais do Polígono da Zona Franca de Barcelona e com a sua gestão patrimonial. Embora o seu principal campo de atividade seja a propriedade industrial e a sua zona franca aduaneira, também promove edifícios, solo urbano e industrial, funciona como dinamizador para a transformação empresarial em direção à economia 4.0 e organiza eventos de interesse económico para Barcelona, como o salão logístico SIL ou o BMP imobiliário.

No seu plenário tem representantes do Governo espanhol, da Câmara Municipal de Barcelona e das principais entidades económicas da cidade.