Espanhol Português

A região espanhola da Andaluzia, com 8.410.000 habitantes, e a República de Portugal com 10.276.000, tiveram uma evolução bastante semelhante da pandemia.

As comparações são geralmente feitas entre países, mas não é muito ilustrativo comparar Estados de dimensão e população muito diferentes.

Dentro da Península Ibérica, a Andaluzia e Portugal têm uma dimensão, população e nível de desenvolvimento semelhantes, pelo que a comparação é mais oportuna em termos epidemiológicos.

População Superfície KM2 PIB Per Capita
Portugal 10.276.000 92.391 19.870
Andaluzia 8.410.000 87.270 19.107

 

As duas entidades têm ainda concentrações urbanas semelhantes, com duas cidades, Lisboa e Porto em Portugal, e Sevilha e Málaga na Andaluzia, que agrupam grande parte da população.

Os dados da pandemia oferecem algumas semelhanças. Com as estatísticas disponíveis às 02:00 do dia 9 de abril, Portugal declarou 13.141 casos e 380 mortes, e a Andaluzia 8997 casos e 605 mortes. Ajustando a população de cada área, por cada 100.000 habitantes, Portugal tem 127 casos e 3,7 mortes e a Andaluzia 107 casos e 7,6 mortes. A principal disparidade provém da mortalidade, mais elevada na região espanhola.

Nas principais áreas da Península Ibérica, Madrid atinge 635 casos por 100.000 habitantes e a Catalunha quase 400. Note-se que, tanto Portugal quanto a Andaluzia têm contido a epidemia relativamente bem, com uma extensão entre 4 a 6 vezes menos do que a da Catalunha e Madrid.

O estado de alarme, com a limitação de movimentos e atividades, começou na Andaluzia em 14 de março, quando a região teve 304 casos e 3 mortes. Portugal, por seu lado, declarou estado de emergência quatro dias depois, em 18 de março, mas já tinha declarado 642 casos e 2 mortes.

A principal causa, dos bons dados portugueses e andaluzes, poderia estar na maior antecipação na adoção de medidas no desenvolvimento da pandemia, em relação ao foco inicial em Madrid. A Andaluzia “beneficiou-se” de um estado de alarme declarado para toda a Espanha, mas impulsionado pela situação explosiva em Madrid. A República Portuguesa teve uma margem de tempo que conseguiu aproveitar, declarando o estado de emergência num momento pandemia ainda controlável.