Espanhol Português

A União das Cidades Capitais Ibero-americanas (UCCI) celebrou um novo seminário web para abordar a resposta do Ayuntamiento de Madrid (Espanha), o governo da Cidade do México (México) e a Câmara de Lisboa (Portugal) em relação a crise gerada pela pandemia da Covid-19. Com o título “Economia e Comércio nas capitais ibero-americanas após a Covid-19”, altos dirigentes destas três cidades abordaram diferentes diagnósticos, medidas adoptadas e ações desenvolvidas nas suas respectivas áreas. A diretora-geral da UCCI, Ana Román, foi a encarregada da apresentação do seminário transmitido em directo no YouTube.

Madrid

José Luis Moreno Casas, o director-geral para a Economia, Inovação e Emprego do Ayuntamiento de Madrid, detalhou as medidas fiscais implementadas. Na capital de Espanha houve uma importante redução de impostos, assim como um adiamento dos mesmos para aliviar a carga tributária sobre o povo de Madrid, que está a ser gravemente afectado pela crise. “Madrid tem duas prioridades: a reactivação económica e emergência social”, disse após recordar que os sectores mais atingidos foram a indústria da turismo, a construção e as actividades artísticas. Da mesma forma, o director-geral da Economia relatou como os procedimentos administrativos eram acelerados para criar riqueza mais rapidamente. Nesse sentido, vale destacar a aprovação do plano Castellana Norte, um projecto que atrairá investimentos e “será de grande ajuda para as pessoas que perderam o emprego durante a pandemia”. “A tarefa de reativar Madrid é trabalho de todos”, disse Moreno Casas, que destacou a liderança assumida pelo autarca da cidade, José Luis Martínez-Almeida. O director-geral da economia também valorizou o relacionamento com as associações empresariais e como o conselho da cidade regulava o que a comunidade empresarial solicitava, por exemplo, no sector da restauração, expandindo os terraços. Moreno Casas também destacou como a segurança jurídica é “o cimento que apoia a credibilidade dos cidadãos nas instituições”. “Tudo o que fazemos para garantir essa segurança jurídica será sempre pouco”, afirmou.

Cidade do México

Maria da Luz Hernández Trejo, subsecretária da Secretaria de Desenvolvimento Económico do Governo da Cidade do México, relatou como a capacidade da cidade permitiu que metade da economia continuasse em movimento durante a pandemia, operando com 47% das actividades essenciais. Depois de lembrar que a capital do México ainda está em um “sinal vermelho”, embora a indústria automóvel tenha começado a operar no 1º de Junho, Hernández Trejo detalhou como as ações que promoveram no seu departamento são divididas em “ações de mitigação” e “ações de reativação”. Uma das ações de mitigação mais importantes tem sido o fornecimento de recursos a pessoas altamente marginalizadas, seguro-desemprego e, especificamente, uma modalidade para assalariados. Isto para além dos empréstimos a pequenas e médias empresas.

Lisboa

Margarida Figueiredo, directora municipal de Economía e Inovação da Câmara Municipal de Lisboa, ressaltou que na capital de Portugal trabalha-se na elaboração de medidas para enfrentar o desemprego causado pela pandemia da Covid-19. “Estamos a trabalhar na questão do desemprego e trabalhar para o futuro”, disse. Margarida Figueiredo dedicou parte da sua apresentação para destacar várias questões sobre a mobilidade, um sector “muito importante” para Lisboa. “Promovemos o uso da bicicleta e temos um claro compromisso com a sustentabilidade”, acrescentou. Paralelamente, Figueiredo também falou sobre segurança jurídica e institucional. “Para dar segurança jurídica e institucional aos investidores e reactivar a economia local após a pandemia, estabelecemos na Câmara Municipal de Lisboa um conjunto de mecanismos de transparência, como auditorias internas e externas financiadas com recursos próprios, além de ampliar o diálogo e flexibilidade com os diferentes sectores da economia local”, afirmou a directora municipal de Economia e Inovação.

Webinars técnicos

A UCCI iniciou o seu ciclo de webinars técnicos com as ações que Madrid (Espanha), Lisboa (Portugal) e Buenos Aires (Argentina) realizaram na matéria de Emergência para enfrentar a pandemia. Numa segunda reunião, onde participaram autoridades ligadas a Madrid, Bogotá (Colômbia) e Rio de Janeiro (Brasil), foram debatidas as medidas que essas cidades estavam desenvolvendo em relação ao turismo. Na mesma linha, a 26 de Maio, altos funcionários madrilenos, ds San José (Costa Rica) e de Lima (Peru) discutiram as ações das finanças locais no contexto da crise global.