Español Português

Até final de 2019, Espanha apresentará uma candidatura para ser observador-associado da CPLP. De acordo com o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Agusto Santos Silva, a colaboração entre os países ibero-americanos pode ter sucesso com a Espanha na Comunidade dos Países da Língua Portuguesa (CPLP) como membro associado.

O Ministro, que está em Andorra, citou a recente Primeira Conferência Internacional de Línguas Portuguesas e Espanholas em Lisboa, organizada pela Organização dos Estados Ibero-Americanos, como exemplo de cooperação na divulgação do ensino das línguas Ibéricas.

Os Estados membros da CPLP, criada em 1996, são: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe. Timor Leste e Guiné Equatorial juntaram-se subsequentemente. O estatuto de “observador associado” é inferior ao “Estado-Membro”. A próxima reunião dos chefes de Estado da CPLP será em julho de 2020 em Angola. Há cerca de 250 milhões lusófonos no mundo.

I Reunião Ibero-americana de ministros dos Negócios Estrangeiros em Andorra

Andorra, o país anfitrião da Primeira Reunião Ibero-Americana de Ministros dos Negócios Estrangeiros na terça-feira, sediou várias reuniões do titular da diplomacia do Principado, Maria Ubach, com ministros ou embaixadores dos países participantes.

A Ministra andorrana e o ministro português recordaram que 25 anos são agora celebrados do início das relações diplomáticas entre os dois países e aproveitaram a reunião para rever o estado das mesmas num ano em que tanto o Principado como Portugal têm novos governos após a realização de eleições gerais, enquanto se comprometeram com o desenvolvimento, especialmente na arena econômica.

Augusto Santos Silva recordou que Portugal acolherá a reunião ministerial sobre Administração Pública e Reforma do Estado em Junho de 2020, no âmbito da Cimeira De Chefes de Estado e de Governo XXVII Ibero-Americana, que terá lugar em Andorra, em Novembro, no próximo ano.

Santos Silva manifestou igualmente o apoio de Lisboa ao acordo de parceria entre Andorra e a União Europeia e ofereceu a assistência de Portugal no processo de negociação com Bruxelas.