Español Português

A presidenta da Fundação José Saramago, Pilar del Río, está a promover um “diálogo multinacional” entre Espanha e Portugal, além de “banderias e Estados”.

A escritora espanhola, nacionalizada portuguesa, Pilar del Río, participou na apresentação da revista Portugal. A magia do improvável, lançada por eldiario.es, juntamente com o cineasta Miguel Gonçalves Mendes e a escritora e jornalista Clara Ferreira Alves.

O TRAPÉZIO perguntou a presidenta da Fundação José Saramago sobre que medidas os diretores de veículos de comunicação poderiam tomar para criar um diálogo permanente entre a opinião pública portuguesa e a opinião pública espanhola.

Pilar del Río respondeu “Leopoldo Alas Clarín publicou um artigo dizendo que a imprensa de Espanha e Portugal, se estavam realmente interessadas em ampliar horizontes e serem mais universais, teriam que levar em conta não só a outra realidade, mas publicar artigos no idioma original. Ou seja, Leopoldo Alas Clarín, o nosso melhor, disse que a imprensa da Espanha, de Madrid, que era quase toda, tem de publicar em português. Dessa forma, perderemos o medo e começaremos a entrar”.

A escritora espanhola também acrescentou que a mídia pode “ter correspondentes. E que os correspondentes não estejam esperando para ver se há uma crise com Cristiano Ronaldo para que eles possam publicar alguma coisa, caso contrário não publicam nada. Fui correspondente muito tempo. Podemos, é claro que podemos.

A presidenta da Fundação Saramago também apontou para a responsabilidade dos meios de comunicação, afirmando que “o que é interessante ou não interessante é decidido e estimulado. O que acontece que a mídia não acha interessante o que acontece em Portugal. E, portanto, também não para os leitores”.

A jornalista portuguesa Clara Ferreira afirmou que “no Expresso já tentamos fazer algo com El País mas não funcionou”. Ferreira apoiou uma “frente sul” dos países europeus para ter mais peso na União Europeia. Uma aliança e uma solidariedade que sentiram falta nos momentos mais difíceis da crise em Portugal.