Español Português

Um bom amigo português explicou-me que a palavra portuguesa geringonça significa algo como uma engenhoca feita com elementos retirados de diferentes origens que torna possível criar um conjunto que consegue trabalhar, mais ou menos a chapuza espanhola. Jeringonza, a palavra espanhola da mesma origem, de acordo com a RAE, tem o significado da linguagem de mau gosto, complicado e difícil de entender, ação estranha e ridícula.

Vemos que este é um falso amigo, que em Portugal tem o aspecto positivo de algo que funciona, na língua espanhola é ridículo, estranho.

É também “estranho e ridículo” que um país como a Espanha, que poderia ser muito bem avaliado na lista mundial de capacidade desleixada, não seja capaz de mover-se para uma geringonça.  Estamos perante uma situação política em que é urgente desenvolver uma engenhoca política que consiga fazer um governo capaz de tomar decisões que funcionam.

As eleições de domingo passado em Portugal concederam ao Partido Socialista português uma maioria. Embora não absoluta, lhe permitirá governar de forma precária e deixar para trás, em grande medida, a situação da legislatura anterior, em que para governar necessário colocar-se na frente de uma geringonça de vários partidos de esquerda.

Os portugueses parecem gostar de geringonça, dado que os resultados do governo anterior de uma situação de partida extremamente complicada eram moderadamente aceitáveis.

Portugal vai ter um governo estável, que será bem controlado por um Parlamento em que não tem a maioria: a política tem feito o seu trabalho, apesar de um nível preocupante de abstenção. Graças a este novo governo terá todas as molas democráticas possíveis. É certo que vai precisar deles porque Portugal precisa de tomar decisões de grande profundidade, na minha opinião, revolucionárias em muitos aspectos.

Do outro lado da linha, a política espanhola tem um rosto vermelho, por causa da vergonha de uma quarta eleição em quatro anos,nem um, nem outros, nem vermelhos, nem laranjas, nem blues, nem purples, nem velhos, têm sido capazes de executar um geringnoa Capaz.

Vamos rever a atitude dos diferentes partidos. O PSOE é vencido e pretende insistir no mesmo axioma, governo de esquerda com apoio externo, ou abster-se do centro e direito sem contrapartes. O PP também insiste em não deixar a sua auto definição como governo alternativo.

Ciudadanos mudaram o discurso, e agora afirma desbloqueio e pactos estaduais. Más País finge ser garantia de chegar a um acordo (impossível?) em um dividido, discutido e confrontado à esquerda, podemos apresentar-se novamente como a grande barragem na frente do maléfico IBEX.

VOX vê o seu espaço um pouco mais livre, porque os Ciudadanos e PP têm de fazer compromissos de governança, e eles não. Nós também temos regionalistas, nacionalistas e separatistas, cada um para o seu próprio.

O problema político é importante, e a cidadania encontra-se entediada desse barulho, deseja sem nenhuma dúvida quer alguém governe com honestidade e ideologia do bom senso. A opinião pública apela, nas circunstâncias, a um acordo. Mesmo que não seja perfeito, apela a um consenso.

Mesmo que algumas essências sejam dadas, um entendimento mesmo que não esteja completo. Algo que possa trabalhar com solvência, mas não uma “chapuza” à espanhola, mas uma portuguesa geringonça (não necessariamente de esquerda). Depois de 10 de novembro temos que exigir em Espanha um governo para antes do Natal.

Pablo Castro Abad