O espanhol que fundou São Paulo

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Sua mãe era canária. Seu pai, basco. Ele nasceu em Tenerife em 1534, estudou em Coimbra e foi enviado ao Brasil pela Companhia de Jesus, com a missão de evangelizar os indígenas. Ali, fundaria uma das maiores cidades do planeta e a maior do mundo lusófono – sua população ultrapassa numericamente a de Portugal inteiro.

José de Anchieta (Antxeta era provavelmente o sobrenome basco da família de seu pai) chega ao Brasil em 1553. Em 1554, ele e seu superior, o padre português Manuel da Nóbrega, fundam o Colégio de São Paulo de Piratininga, destinado à catequese dos índios tupi, em torno do qual se forma uma pequena aldeia que seria a semente da cidade de São Paulo.

Muito se conhece Anchieta por seu trabalho de catequista em terras brasileiras, por sua beatificação em 1980 pelo papa João Paulo II e por sua canonização em 2014 pelo papa Francisco. Menos conhecida é sua faceta literária. Escrevia em português, espanhol, latim e tupi, tanto poemas como textos dramáticos. Sua poesia tem ares mais intimistas e aborda a relação particular do jesuíta com Deus. Seu teatro, por outro lado, tem fins catequizadores. Os autos compostos por Anchieta falam do bem e do mal e eram representados nas aldeias indígenas pelas quais peregrinava.

Com a intenção de convencer os nativos a deixarem suas práticas “hereges”, Anchieta teve que se aprofundar no universo simbólico das tribos locais e encontrar correlatos entre suas crenças e a mensagem católica. Para os tupis, por exemplo, o ser supremo era Tupã (talvez uma onomatopéia para o trovão). Tupã, então, passaria a ser Deus. Nossa Senhora seria Tupansy (mãe de Tupã), enquanto o Reino de Deus era tupãretama (terra de Tupã) e a igreja era tupãóka (casa de Tupã). Para o conceito de alma, Anchieta usa a palavra tupi anga, que para os indígenas significava sombra.

Essa transposição entre as duas culturas é, claro está, problemática. As relações não são exatas, o que leva Anchieta a improvisar vocábulos. Para se referir aos anjos católicos, figura que não existia entre os tupis, o jesuíta cria a palavra karaibebé, que, traduzido, seria algo como “profeta voador”. Outros termos não encontram tradução. A ideia de pecado, por exemplo, não podia ser transposta de maneira satisfatória, já que esse conceito simplesmente não fazia parte do imaginário indígena.

Anchieta esteve em muitos pontos do Brasil e conheceu outros povos indígenas que não somente os tupis. Mas foi com eles que conviveu quase toda a sua vida, no litoral dos atuais estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo. É de sua autoria a primeira gramática com os fundamentos da língua tupi. A Arte de gramática da língua mais usada na costa do Brasil foi impressa em Coimbra em 1595.

Atualmente, o Colégio de São Paulo do Piratininga é um importante ponto turístico da cidade. Passou por sua última reconstrução em 1979. Está restaurado e aberto à visitação. No local, além do Colégio e do seu pátio, estão o Museu Anchieta, o Museu de Arte Sacra dos Jesuítas e a Biblioteca Padre Antonio Vieira, especializada na história da Companhia de Jesus e da cidade de São Paulo. Para quem se aventure a viajar pelo Brasil, vale a pena ver de perto o lugar onde essa grande personalidade espanhola fundou a maior cidade luso-falante do mundo.

 

Sérgio Massucci Calderaro (São Paulo, 1971), doutor pela Universidad Complutense de Madrid, é redator publicitário, escritor y professor.

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário