Uma possibilidade post-covid, o Eixo Atlântico

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O novelista americano Henry Miller deixou escrito que “o destino de quem vai nunca é um lugar, mas um novo ponto de vista”. É certamente uma nova abordagem ao essencial onde a oportunidade pode favorecer a Espanha Atlântica, particularmente a Galiza ou as Ilhas Canárias, e Portugal, ao propor um eixo alternativo de revitalização do Sul da Europa, compensando o agora dominante Mediterrâneo.

O fenómeno como referência de debate intelectual tem estado presente em muitos intelectuais importantes, principalmente portugueses, galegos e canários, sem que isso tenha permitido concretizar uma teoria do ocidental eficaz, circunstância certamente utilizável como elemento de posicionamento e / ou diferenciação num mundo cada vez mais globalizado.

Em Espanha, o Atlântico é o Basco, o Cantábrico, o Asturiano e parte do Andaluz, fundamentalmente o Atlântico é o Canário, o Galego. Em Portugal é todo o território, incluindo as suas ilhas. Culturalmente, nasceu em ambientes onde se falam línguas comuns e diferentes, e nem tudo une geograficamente o resto da Europa, sob uma única bandeira, a África e nos liga à América como um todo. O Atlântico representa assim uma magnífica ocasião de singularização no universal, da qual participa directamente ao aproximar povos dispersos com representações relevantes naquela parte do mundo.

Neste mundo com possibilidades quase ilimitadas, Espanha e Portugal encontram uma conjuntura única de liderança, de protagonismo na linha da frente, de encontro na encruzilhada, de eixo dinamizador de um fenómeno que deve ser provocado pela procura de lideranças criativas com políticas, sociais e resultados económicos. A relevância corresponde à compreensão da oportunidade, da necessidade de estabelecer alianças estratégicas como a Mundo Atlántico que reúne universidades presenciais e virtuais; associações empresariais portuguesas e espanholas; câmaras de comércio latino-americanas, centros de negócios internacionais. Todas estas instituições estabeleceram um primeiro objectivo comum: reflectir sobre o papel da burocracia administrativa na recuperação económica pós-covid. Hoje em dia, na Galiza, será analisado o rápido processamento para a constituição de empresas, com base num modelo de sucesso, o português. As conclusões da reunião serão apresentadas ao Parlamento de Espanha. Somos uma iniciativa incipiente para a qual se pode prever um longo caminho com a articulação ordenada de dezenas de ações possíveis no quadro do realismo económico.

Considerar todas as possibilidades, do promocional ao industrial, do educativo ao social, do digital à energia, do turismo ao agroalimentar, é uma tarefa urgente em que, além disso, os territórios ibéricos e os seus aliados naturais são chamados a experimentar. A participação da iniciativa pública e privada, estadual e regional, local e europeia devem fazer parte. O talento deve ser aproveitado e as tecnologias mais modernas devem ser utilizadas para responder em tempo real às demandas dos novos mercados.

O mundo atlântico é uma resposta ao novo panorama, que implicará a organização de importantes actividades em diferentes lugares, de fóruns e exposições que abrangerão o mais amplo leque de capitais internacionais. Merece consideração e demanda máxima. Naveguemos com estratégia e confiemos o futuro aqueles que sabem por onde navegar com eficácia. Necessitamos disso de maneira urgente.

O turismo ibérico descola depois do FITUR

O turismo descolou. A FITUR representou a pista de descolagem da principal indústria em Espanha e Portugal. Com as vacinas e prevenções exigidas por uma pandemia ainda não totalmente controladas, uma actividade essencial na recuperação geral pode, deve e será reiniciada. A economia só se recuperará se o turismo for compensado.

A IFEMA conseguiu fazer do maior evento de feiras realizado em Espanha no último ano e meio uma realidade. O mérito da organização é evidente: os controles do QUIRONSALUD eram exaustivos, suportáveis ​​e eficazes. A presença de expositores em 7 pavilhões com 44.000 metros quadrados, motivou a participação de todas as Comunidades Autónomas, principais países receptores de turismo, e o atendimento ordenado de milhares de visitantes ao recinto, para além de centenas de encontros profissionais na capital da Espanha, do é o caso do CEMIT, HOTUSA FORUM, etc. A presença de 30 ministros do Turismo dá uma ideia da vitrine que este evento representa no mundo, como um dos principais encontros profissionais e administrativos.

A Mesa de Turismo de Espanha, que também celebrou a sua Assembleia, coencidindo com o evento, estima que a partir de meados de Junho estará restabelecida a programação de quase todas as companhias aéreas, tanto em vôos regulares, como charteres ou operadores turísticos.

Se tudo evoluir normalmente, o turismo ibérico recuperará de imediato, em todos os destinos peninsulares e insulares, quer de sol e praia, quer urbano e interior. Os estabelecimentos serão reabertos gradativamente e serão incorporados turistas nacionais e internacionais, estes últimos na pendência do Passaporte COVID.

A comunidade empresarial e os profissionais responderam com resiliência e competência à maior e mais inesperada crise. É chegado o momento de chegar a ajuda europeia e de contribuir para o relançamento da indústria da felicidade. Tudo tem que ser feito com segurança e estabilidade, atendendo a negócios viáveis. Espanha e Portugal continuam a ser o melhor destino turístico do mundo e isso ficou demonstrado na feira.

A FITUR, justamente adiada de Janeiro para Maio, tornou possível dar a partida para que os motores entrem na pista. Agora trata-se de recuperar antes do final do ano entre 40 e 50% do volume de negócios turístico do último ano considerado normal, 2019, em que foram quebrados todos os recordes nos diferentes segmentos. Existem boas indicações dos mercados francês, italiano e americano. Tudo parece correr bem.

É patente que com os controlos necessários seja possível celebrar grandes eventos. O exemplo do FITUR serve para o turismo, os congressos, o comércio e os eventos culturais, incluindo o XACOBEO 2021-2022. Estamos num bom caminho. Feliz vôo.

 

Alberto Barciela – Membro da Mesa do Turismo de Espanha

(Este artigo faz parte do Projecto Ibérico. Destino Atlântico)

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário