Governo português quer aproveitar o semestre da presidência da União Europeia, em 2021, para afirmar a cultura portuguesa

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, afirmou que procurará ter «o melhor Portugal tem para apresentar ao mundo»

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Graça Fonseca falava na cerimónia de inauguração da Casa da Cidade Criativa da Música, em Leiria, onde referiu que a presidência portuguesa será «um momento muito importante» e que o País procurará, ao longo desde semestre, ter «o melhor Portugal tem para apresentar ao mundo». A iniciativa insere-se na designação de Leiria, pela UNESCO, como Cidade Criativa na área da Música em outubro.

A par deste projeto de internacionalização da cultura portuguesa, Graça Fonseca referiu o trabalho da diplomacia cultural que está a ser realizado num programa conjunto com o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Leiria é «um caso de sucesso»

Sobre a Casa da Cidade Criativa da Música em Leiria, a Ministra referiu que «a música é apenas um dos aspetos da criatividade ou da estratégia de uma cidade criativa, como Leiria se afirma. É uma dimensão muito importante, mas que entronca com muitas outras áreas da criatividade. As cidades e os países que colocam a criatividade no centro da sua estratégia de desenvolvimento social, económico e de coesão territorial são sempre casos de sucesso».

«As redes internacionais, neste caso da UNESCO, são algo fundamental para a cultura, para os artistas e para o território. Portugal é um país com imenso talento, com artistas com muito talento, mas precisamos de projetar para além das nossas fronteiras», reforçou Graça Fonseca.

Considerando que Portugal é um País com uma «dimensão média», a Ministra referiu que é preciso «colocar o talento naquilo que são as redes globais de talento e de criatividade» e a UNESCO é «uma ótima plataforma para o fazer».

Preparar melhor o setor para situações de crise

Questionada sobre o impacto da crise da pandemia Covid-19 no sector da Cultura, a Ministra disse que o Governo está «a tentar fazer o melhor possível para responder com medidas concretas como aquelas que estão a ser debatidas no orçamento suplementar, para fazer face a esta situação de emergencia; procurando ao mesmo tempo, continuar a trabalhar e a construir medidas estruturantes para o futuro».

O objetivo é preparar «melhor o setor para situações como estas», avançando, por exemplo, «com o estatuto do artista e a discussão das carreiras contributivas e condições laborais».

Antes de inaugurar a Casa Cidade Criativa da Música em Leiria, Graça Fonseca visitou a incubadora de indústrias criativas Serra, na Reixida, freguesia de Cortes, em Leiria, onde vários artistas trabalham em áreas desde a música às artes visuais ou ao audiovisual.

«Pareceu-me ser um bom exemplo. É uma parceria feliz entre uma associação privada, entre uma empresa muito importante aqui da região e, precisamente, ser algo que revela bem o que pode ser uma casa criativa e qual o impacto que uma casa, com diferentes projetos criativos, pode ter no território», disse a Ministra.

Graça Fonseca elogiou ainda a forma como muitos dos criativos conseguiram reinventar-se e criar e trabalhar de forma diferente durante os «três meses difíceis» que se viveram. «Há o caso de um coletivo que até contratou mais uma pessoa durante este período. No fundo, o que procuraram fazer – e bem – foi pensar de forma muito rápida em como nos podemos adaptar a uma situação que ninguém estava à espera. Fizeram um trabalho extraordinário», acrescentou.

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários