Lisboa ao leme do barco europeu

Presidência europeia começou sem pompa e circunstância

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

No CCB, criado durante a primeira presidência portuguesa e com as bandeiras dos 27 feitas usando plástico retirado dos mares, António Costa recebeu o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel. Neste primeiro encontro oficial foram apresentados os principais pilares durante a quarta liderança lusa, que pela primeira vez vai ocorrer sob a vigência do Tratado de Lisboa e durante os próximos seis meses.

“É uma honra para o país começar esta Presidência Portuguesa, que esteve a cargo da Alemanha nos últimos seis meses”, afirmou António Costa sobre a presidência que agora começa e que comparou com uma corrida de estafetas que vai terminar a 1 de Julho. Para o primeiro-ministro português, este “É tempo de agir para assegurar uma recuperação justa, verde e digital”.

Para que esta recuperação se inicie é necessário a activação da conhecida bazuca económica só que antes é necessário aprovar os 27 planos nacionais de recuperação. O presidente do Conselho Europeu encara os próximos seis meses com esperança, acreditando que Portugal para iluminar a Europa na direcção certa. Um continente mais social, justo e ‘vacinado’ contra populismos extremos.

Momento de Acção!

Uma Europa mais aberta ao mundo é um dos objectivos da presidência portuguesa. Sem proteccionismo mas como actor global com um papel importantíssimo a desempenhar na questão dos refugiados que nos últimos anos têm atravessado o Mediterrâneo e na aproximação com a Índia ou África.

Durante a conferência de imprensa posterior a esta reunião, tanto Costa como Charles Michel defenderam que não existe recuperação sem vacinação. A União Europeia fechou contrato com 6 fornecedores da vacina contra a Covid-19, reforçou o contrato com duas e já deu o seu aval para a vacina da Moderna. Os dois líderes pedem a calma do povo europeu para o processo de vacinação, que vai abrager 450 milhões de europeus, e que só após a conclusão do mesmo, no primeiro semestre de 2022 (na pior das hipóteses), e que a pandemia será concluída e a retoma total possa acontecer.

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário