«Restauradores» com Alma

A praça lisboeta é coroada com um obelisco ao melhor género egípcio

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Descendo da avenida da liberdade em direção ao rio, como quem vai para o Rossio assistir uma peça de teatro no D.Maria, encontramos uma das principais praças de Lisboa, a dos Restauradores.

Num dia normal, centenas de pessoas passar por esta rua apressadas, sem prestarem muita atenção, mas a história também foi feita aqui! O seu nome, Restauradores, é uma homenagem aqueles que há 380 anos atrás protagonizaram o 1° de Dezembro, data que terminou com o domínio da dinastia Filipina no país.

Este acto é relembrado num magistral obelisco, ao estilo egípcio e que no centro apresenta uma figura de bronze que representa a vitória e a liberdade, com 30 metros e que foi colocado em local de destaque no dia 28 de Abril de 1886, durante o reinado de D. Luís I.

Este monumento, que no seu chão é tapateado pela tradicional calçada portuguesa, todos os anos recebe coroas de flores e é o local de chegada das bandas filarmónicas que assinalam este feriado nacional com um desfile. Mas isso é nos dias de festa ou se não for turística na capital portuguesa.

Os Restauradores não são só os restauradores

Mas os Restauradores não são só o obelisco e as suas inúmeras lojas.

Um dos principais lugares de destaque desta praça é o elegantíssimo Palácio Foz, actual posto de informação turística da cidade, construído em 1777 e com uma fachada que faz lembrar o tempo em que as estradas daquele mesmo local eram feitas de terra e as carruagens e carroças circulavam de um lado para o outro. Hoje em dias os meios de locomoção são outros mas a agitação é a mesma.

Um pouco mais abaixo, e bem mais recente (foi inaugurado em 1937), vislumbra-se a fachada do antigo Cinema Eden, que é considerado uma das obras mais importantes de arquitectura modernista de Portugal.

Construído inicialmente como teatro, foi como cinema que o edifício atingiu todo o seu esplendor e durante a II Guerra Mundial atraiu os lisboetas que queriam diversão ao mesmo tempo que sabiam novas da guerra que se desenrolava fora de portas.

Para terminar este artigo sobre a praça dos Restauradores, temos o Elevador da Glória, um dos elevadores históricos de Lisboa mais usados, que que liga a Praça dos Restauradores ao Bairro Alto. Este ascensor anualmente movimenta 3 milhões de passageiros e movimenta-se por 265 metros e até finais do século XIX as viagens noturnas eram feitas a luz das velas. Ao longo da subida, se estiver a prestar atenção a viagem, pode ver um mural que homenageia o fado, que há 9 anos ascendeu ao papel de património da humanidade.

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário