Portuguesas atravessam a fronteira para irem abortar a clínicas espanholas

Oportunidade de abortar diminuiu a mortalidade materna e aumentou o uso de contraceptivos

Comparte el artículo:

Compartir en facebook
Compartir en twitter
Compartir en linkedin
Compartir en whatsapp
Compartir en telegram
Compartir en email

Num período em que se fala na possibilidade do direito a abortar reverter nos Estados Unidos, muitas portuguesas continuam a sair do país para interromper a gravidez. Em 2021, 600 portuguesas escolheram ir abortar a Espanha. Estes dados foram registados em clínicas de Badajoz, Huelva, Sevilha e na Galiza. Vigo e Badajoz são as cidades mais escolhidas pelas portuguesas.

Mesmo sendo legal abortar em Portugal (até às 10 semanas), muitas optam se deslocar até às clínicas na zona da fronteira devido ao prazo mais alargado e a possibilidade de escolher o método para terminar com a gestação. Para além da oportunidade de escolher, em Portugal ainda existem alguns obstáculos no acesso a oportunidade de abortar pois os médicos podem recusar fazer este procedimento que apenas pode ser feito através de medicamentos. Este procedimento tem que ser obrigatoriamente feito por um médico diferente do que faz a ecografia a gestante.

Esta interrupção tem um custo que oscila entre os 300€ (através de medicamentos) e os 500€ (cirurgia), somando as despesas de deslocação até à clínica. Em Espanha, uma mulher pode decidir terminar a sua gravidez até às 14 semanas. É possível abortar em Portugal desde 2007 no Serviço Nacional de Saúde. A decisão veio após um referendo em que 60% dos eleitores optou pelo «sim». Entre 2011 e 2014, em Portugal não houve nenhuma morte materna vinculada à interrupção legal ou ilegal da gravidez. Das mulheres que decidiram interromper a gravidez, 50% já tinham um ou dois filhos.

Para abortar, as mulheres são obrigadas a um período obrigatório de reflexão de três dias. Desde que foi legalizado o aborto houve uma queda acentuada da mortalidade e uma generalização do uso de contraceptivos. Estes são dados de forma gratuita a homens e a mulheres. Também houve uma redução no número de abortos em todas as faixas etárias, especialmente entre as adolescentes.

Noticias Relacionadas