Portugal e Espanha chegam a acordo para a pesca do meixão

O meixão é pescado no troço internacional do rio Minho e é uma iguaria para portugueses e galegos

Comparte el artículo:

Compartir en facebook
Compartir en twitter
Compartir en linkedin
Compartir en whatsapp
Compartir en telegram
Compartir en email

O meixão [angula em espanhol], enguia juvenil protegida, é pescada no troço internacional do rio Minho e muito apreciada em ambos os lados da fronteira. Este peixe, que tem um período de pesca que vai de 23 de Fevereiro a 10 de Março, levou a que os dois países chegassem a um acordo hábil e alternativo que pode ser activado caso não haja pesca na altura estipulada. O alargamento do período de pesca foi decidido pela Comissão Permanente Internacional do Rio Minho (CPIRM), composta por entidades de Portugal e Espanha.

Habitualmente esta pesca acontece durante 15 dias no mês de Novembro mas como este período está associado à lua nova pode variar e acontecer durante os meses de Dezembro e Janeiro. Esta norma excepcional será aplicada «em caso de pandemia ou por motivos meteorológicos, entre outras situações». O novo regulamento foi aprovado na sequência das medidas de protecção recomendadas pelo Projecto Migra Miño/Minho.

Este regulamento vai permitir que os pescadores possam operar mais 5 dias em 2022 para compensar as perdas provocadas pela Covid-19. No troço do rio Minho que liga Monção e Melgaço, isto numa extensão de apenas 37 quilómetros, existem 900 pesqueiras mas a última campanha apenas 151 estavam licenciadas para operar. O meixão, que se reproduz junto à costa americana, em Portugal é sujeito a regras estritas e os seus pescadores têm que estar inscritos na Capitania do Porto de Caminha.

Fronteira natural entre os dois países, o rio Minho nasce a 750 metros na Galiza, serra de Meira, e percorre cerca de 340 quilómetros. O rio desagua, já no oceano Atlântico, a sul da localidade de A Guarda e a norte em Caminha.

Noticias Relacionadas