Velas ao Vento!

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Assinalou-se a semana passada o Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres que continua a ser um flagelo e onde Portugal, este ano, já conta com 35 vítimas mortais; uma verdadeira vergonha numa sociedade, dita, moderna e civilizada.

Falando em mulheres, no passado dia 17 de novembro fez 495 anos da morte da Rainha D. Leonor, Leonor de Avis. Seria uma data como qualquer outra, não fosse a Rainha D. Leonor uma mulher que, hoje, na situação sanitária complexa em que nos encontramos, faria muita falta nos corredores do poder em Portugal e na nossa amada península Ibérica.

Para já, esta maldita pandemia continua a assombrar-nos os dias e não nos vai dar tréguas tão depressa, pese embora as animadoras notícias de um sem número de vacinas, já quase prontas a iniciarem a produção em massa para distribuir pela humanidade, que definha há quase um ano.

De facto, aquilo que nos parecia ser o assustador desconhecido em março, afinal, é uma peste ainda não totalmente conhecida, altamente contagiosa e letal para muita gente. Mas, a crise sanitária, consequência direta da COVID19, é uma parte do problema e a face mais visível da pandemia. É ainda pouco claro, mas, vai trazer muitos danos colaterais, mais ou menos imediatos e conhecidos, como por exemplo a perda de trabalho e rendimentos que levará a uma gradual degradação da sanidade em geral, tanto física como mental, como social.

Paralelamente, sabe-se que em Portugal houve, nos últimos tempos, um aumento de seguros de saúde, evidenciando por parte da população, que ainda pode, falta de confiança no Sistema Nacional de Saúde e está a precaver-se para um futuro muito incerto. Por outro lado, existe o problema dos excelentes recursos humanos que emigraram em debandada, a partir da crise financeira de 2011 até hoje, para tratar de melhor vida e, por conseguinte, não são, para já, opção na atividade hospitalar e nos cuidados de saúde em geral.

Existe ainda a quase completa dependência do exterior de material e equipamento hospitalar; para já não falar dos custos astronómicos, diretos e indiretos, que esta pandemia vai custar aos bolsos dos contribuintes. Tudo isto são muitas incógnitas, que, na nossa península Ibérica figuram em muitas equações de difícil resolução.

Aqui chegados, vem à memória o nome de Leonor de Avis, por muitos apelidada de «A Perfeitíssima», pelo exemplo e pela capacidade de fazer o bem.

À época uma das mulheres mais ricas da Europa, usou a sua influência, enquanto Rainha e mesmo depois de enviuvar, para levar a cabo uma enorme obra em prol dos que mais precisavam e da população em geral, a saber, fundou a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, hoje, quase 500 anos depois é um pilar mestre na ação social em Portugal; fundou em Lisboa, no que é hoje o «Terreiro do Paço», o «Hospital de Todos os Santos», então o Hospital mais moderno da Europa, e portanto do mundo, destruído no terramoto de 1755; fundou a Vila e a estância termal das «Caldas da Rainha», construiu um hospital termal para todos, depois de saber que os pobres e doentes da região ali se deslocavam para se banharem nas águas termais com reconhecidos poderes curativos;  mandou construir o «Convento da Madre de Deus» onde passou a residir até à morte, de forma austera junto das «Irmãs Clarissas Descalças» às quais quis obedecer.

Por fim, é este tipo de pessoa, com um calibre inigualável no que diz respeito ao Serviço Público e abnegação, que as mulheres vítimas de violência doméstica e a, atualmente, enferma Sociedade Ibérica clamam, nestes tempos difíceis.

Leonor de Avis «A Perfeitíssima», uma Mulher que desapareceu há cinco séculos, mas imensamente atual e necessária. Sabe-se lá porquê… hoje faço questão de invocar este enorme ser humano, quinhentos anos depois da sua existência, que no seu tempo foi maior que o mundo, foi uma Mulher!

Paulo Gonçalves é presidente do Movimento Partido Ibérico – mPI

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário