Espanhol Português

Espanha teve seu projeto inacabado de Panteão dos Homens Ilustres. O projeto original foi feito pelo arquiteto Fernando Arbós y Tremanti, que – na ausência de suficiente orçamento – faltou por ser construída a basílica, e sua torre ficou isolada no que é hoje uma escola. Várias tentativas foram feitas, no final do século XIX e início do século XX, para trazer ao Panteão os restos mortais de escritores e artistas do século de Ouro, bem como políticos liberais. Alguns vieram, mas foram devolvidos aos seus locais de origem pelo desligamento do projeto. O general Prim foi o último a sair, em 1971, com seu mausoléu de ferro, a caminho de Reus.

O Panteão – da década de 1930 até 1980 – foi abandonado. E até hoje praticamente esquecido. Na década de 1980 foi restaurado para o turismo. O franquismo não tinha interesse em fazer homenagens ou visitas institucionais, mas também não os presidentes da democracia atual. O TRAPÉZIO visitou-o.

O guarda de segurança, que vigila o Panteão há anos, afirma que “este é apenas um museu. Não há homenagens ou visitas de políticos.” Isso explica a enorme proeminência do Vale dos Caídos como um mausoléu político pela ausência de concorrência do Panteão dos Homens Ilustres, nunca apoiado pela classe política espanhola.

O Panteão dos Homens Ilustres está localizado em um triângulo de Madrid cheio de elementos históricos. Em um dos vértices há um monumento – parcialmente escondido por árvores – para os heróis da Guerra Hispano-Americana (1898). Em outro dos vértices está a Igreja de Nossa Senhora de Atocha, onde Amadeo de Sabóia visitou o cadáver de Prim e onde os restos mortais de Bartolomeu das Casas descansam. De um lado está a Avenida Ciudad de Barcelona (paralela às instalações da RENFE), do outro lado, o passeio da Rainha Cristina (com a sede do Governo Militar) e, em frente, à Fábrica Real de Tapeçaria.

No estilo neobizantino, as palavras de “lealdade” e “honra” presidem a entrada e nos levam a corredores com diferentes túmulos, formados – cada um deles – por um monumento esculpido em mármore com alegorias e a forma do corpo do ilustre. No pátio há um mausoléu conjunto onde estão os iberistas Mendizábal e Olázaga, entre outros liberais.

Juan Alvarez Mendizábal, famoso pela “desamortização”, desempenhou um papel fundamental na primeira tentativa de oferecer o trono espanhol a Pedro IV de Portugal (e imperador do Brasil). Salustiano Olázaga foi um dos protagonistas, juntamente com Ángel Fernández de los Ríos, o marechal Saldanha e o general Prim, da segunda grande tentativa – em 1870 – de oferecer a Fernando II de Portugal a coroa espanhola. O caso do iberista português João Carlos de Saldanha está enterrado com os reis de Portugal no Panteão dos Bragança, em Lisboa. Além de ter um monumento e uma praça como duque de Saldanha.

Portugal possui um Panteão Nacional, com personagens ilustres – como Amália Rodrigues, Humberto Delgado ou Teófilo Braga – e cenotáfios (monumentos sem corpo presente) de seus antigos heróis ultramarinos: Nuno Álvares Pereira, Enrique el Navegante, Vasco da Gama, Pedro Álvares Cabral, Afonso de Albuquerque e Luís de Camões.

Espanha sempre teve problemas em concordar com uma memória coletiva para os dois (ou três) Espanhas ideológicas. Voltar ao período imperial de El Escorial é controverso para a esquerda e o período da Segunda República é igualmente controverso para a direita.

Parece que a geração liberal da Constituição de Cádiz, muitos deles iberistas e anti-napoleónicos, que participaram da guerra da independência – chamada “peninsular” por portugueses e ingleses – que faziam parte do governo do triênio liberal e do isabelino, que sonhavam no sexenio revolucionário e que foram integrados na Restauração, poderiam ser candidatos a heróis compartilhados pela direita e esquerda espanholas.

O mais pragmático seria estabelecer um panteão com cenotáfios, dada a necessidade de colaboração familiar. Heróis liberais que poderiam ser acompanhados pelos intelectuais da geração 98 – como um Unamuno, um Juan Valera, um Ganivet, um Ortega, um Américo Castro ou um Sánchez Albornoz -, artistas populares -como um Paco de Lucía- e alguns republicanos, regionalistas, progressistas ou federalistas ibéricos, como um Pi i Margall, um Pablo Iglesias Posse, um Joan Maragall ou um Azaña, que se encontram em suas aldeias, em seus lugares de exílio ou – muitos deles – no Cemitério Civil de Madrid. Até agora, no entanto, a classe política espanhola tem sido incapaz de realizar a recuperação e relançamento do antigo projeto Panteão ou – mesmo – criar um novo.