Espanhol Português

Detentor de dupla nacionalidade hispano-portuguesa, promoveu várias empresas, foi CEO de uma pequena multinacional ibérica. Recentemente ele publicou “Arquitectar a Colaboração”, hoje ele está focado em seu papel como facilitador no sector de saúde. Também é membro da Associação Plataforma Ibérica.

-Você trabalhou e trabalha entre Espanha e Portugal. Você se considera um profissional ibérico?

Esse é um excelente conceito que de profissionais ibéricos, talvez seja o caso de alguns cuja missão é gerir um serviço comum ou equipa de trabalho entre espanhóis e português, como eu fiz na minha posição anterior como o gerente de topo de uma pequena multinacional da que eu era o gerente de duas empresas, uma com sede em Madrid e uma outra em Lisboa. A integração de dois modelos diferentes para que os trabalhadores sintam que fazer parte de um é possível, tive muita sorte por tê-la conseguido, mas duvido que esta seja a maioria dos casos nas empresas. Mas receio que o conceito mais comum de profissional ibérico seja o de uma pessoa que trabalha em Espanha para clientes em Portugal ou vice-versa, ou de uma pessoa que trabalha igualmente bem em ambos os países como se fossemos só um. Este é também o meu caso, por isso posso dizer com orgulho que me sinto como um profissional ibérico.

-Em termos gerais: Qual tem sido a sua carreira profissional entre os dois países?

Isso nos daria para um livro (risos) e aqui temos que chegar ao ponto. Vou dizer que, quando criança, sonhei em poder trabalhar em Espanha como se estivesse em Portugal e atingi esse sonho. Além das empresas que criei em ambos os países, desenvolvi iniciativas no campo da Fundação para a Colaboração para aproximar Portugal e Espanha. Como exemplo, serão criadas as Cimeiras Ibéricas dos Líderes da Saúde este ano, a Cimeira das Regiões da Saúde Ibérica será criada, na qual em breve terão notícias.

-Publicou recentemente Arquitectar a Colaboração. Como você definiria este livro?

“Arquitectar a Colaboração” é uma tradução de um livro que escrevi originalmente em português e verifica-se que quando íamos distribuí-lo num dia útil em Cáceres descobrimos que o verbo “Arquitectar” não existe como tal em espanhol, por isso o seu próprio título é inovador (risos). É um livro que eu escrevi para “líderes facilitadores”, ou seja confiam na inteligência da equipa para entregar melhores resultados. Enquanto isso, em um ‘grupo’, há um líder designado que lidera os outros, em uma ‘equipa’, esse papel de liderança é distribuído entre todos os seus membros que ganham autonomia para fazer o que é necessário no exato momento e em plena articulação com os outros.

Enquanto as reuniões convencionais ocorrem em grupo, em uma equipa, a resolução de problemas e a tomada de decisões realizam-se por meio de workshops ou reuniões facilitadas. Sempre que um líder não tem todas as informações para decidir e precisa de um alto compromisso da equipa para implementar uma decisão e que não há limitação de tempo crítico devido à urgência, a facilitação do grupo pode ser usada com vantagens para o líder, para os membros do grupo e da organização como um todo.

-Você participa da International Association of Facilitators. O que é facilitação?

Em geral, podemos dizer que a facilitação do grupo serve para fazer a colaboração entre as pessoas funcionar e ser eficaz. Na prática, a facilitação do grupo ocorre sempre que um grupo ganha consciência de que é mais do que apenas a soma das peças que a compõem e se transforma em uma equipe e pode ser considerada como uma tecnologia para a decisão coletiva simultânea.

A IAF é a Associação Internacional de Facilitadores da qual faço parte e tem “chapters” bem estabelecidos em Espanha e Portugal, que realizam reuniões regulares e defender a divulgação dos valores de facilitação e os benefícios que as empresas e comunidades podem ter empregado facilitadores profissionais, ou seja, pessoas que, como eu, aplicam a facilitação do grupo de forma profissional. A facilitação do grupo pode combinar o conhecimento prático do trabalho em grupo e o conhecimento técnico-científico que precisa ser constantemente atualizado.

De sua posição privilegiada. Como você observa a dinâmica das relações sociais e comerciais na península?

Estamos perante um grave problema de coexistência, mas não só na Península Ibérica, que é também o caso na Europa, com o recente caso do BREXIT, ou nos Estados Unidos com o impeachment do seu Presidente. Na Península Ibérica existe, em particular, um défice no sistema educativo que não nos prepara para os desafios de uma cidadania europeia. Viver em uma sociedade multi-nacional, mas que sente-se como uma única nação e isso não está sendo feito.
Da minha experiência profissional como CEO de uma empresa multinacional eu tenho sido um integrador de dois modelos e que é alcançado com o desenvolvimento da empatia mútua.
Essa falta de empatia ocorre pelo patrimônio cultural, somos ensinados a ver outras que não fazem parte de nossa família, nosso bairro ou nosso povo, não como pessoas, mas como objetos e isso gera o preconceito. Lembro-me de meus primeiros dias na Espanha, quando fui para Málaga e aluguei um carro com a placa de Sevilha, eles me diziam “cuidado que seu carro vai ser arranhado se você deixá-lo na rua, você tem que colocá-lo em um estacionamento”. É essencial que nos ensinemos a entender que os outros são pessoas, e devemos saber como ouvi-las para entender melhor seus anseios e necessidades, entender o ponto de vista uns dos outros e a mesma coisa em relação a nós.

-O que você acha que pode ser a função de uma publicação ibérica como EL TRAPÉZIO? O que você nos aconselharia?

Justamente uma publicação como a O TRAPÉZIO é essencial para compensar este défice dos nossos sistemas educativos e alcançar este entendimento mútuo entre todos os povos que fazem parte da nossa terra que não é outra que toda a Península Ibérica, nosso povo na Europa e no mundo.