Espanhol Português

Membro da 14ª geração, o escritor Manuel Azaña recebeu o Prêmio Nacional de Literatura em 1926 por sua biografia “Vida de Don Juan Valera”. Graças à ajuda da filha de Valera, foi capaz de realizar uma investigação aprofundada do trabalho de Juan Valera, um dos mais ilustres iberistas e um pioneiro do ibero-americanismo. Em 1925, aproveitando a permanência do seu amigo Cipriano Rivas em Portugal, Azaña pede-lhe que procure os herdeiros dos iberistas Oliveira Martins e Latino Coelho para verificar se têm cartas de Valera. Oliveira Martins dedicou seu livro História da Civilização Ibérica a Juan Valera.

O fervor iberista de Manuel Azaña, provavelmente devido à sua admiração e estudo de Valera, fez com que, como presidente da República Espanhola, protegesse o exílio iberista português (Grupo dos Budas)e mantivesse conversas com o seu representante Jaime Cortesão, cujo irmão, Armando, participará de um debate coletivo que será transformado em um livro: a Comunidade Ibérica das Nações (1945), cujos outros autores são Manuel de Irujo, Luis Araquistáin e Carles Pi i Sunyer. Um português, um basco, um cantábrico e um catalão, todos com experiência institucional, tentam articular uma proposta para uma confederação de nacionalidades ibéricas do exílio em Londres.

Manuel Irujo propõe, no contexto do debate acima mencionado Comunidade Ibérica das Nações,um regime constitucional um tanto contraditório que se move do federalismo ao confederalismo, no entanto, reconhece a necessidade de um governo central ibérico. As capitais comunitárias estão a ser debatidas: Lisboa está sempre sobre a mesa, mas também Bilbao, Sevilha, Barcelona e Madrid. É pensada uma projeção adicional para Ibero-américa.

Jaime Cortesão faz “um esboço de projeto de um Conselho Supremo Ibérico (CSI)”, onde estabelece regras de votos e cotas de representação de nacionalidades ibéricas (“três portugueses, três castelhanos, dois catalães, um basco e um galego”). Menciona que funcionaria um Supremo Tribunal Ibérico que interpretaria o “direito constitucional do CSI”. “Espanhol e português seriam as línguas oficiais”. “O Conselho nomearia um secretário-geral e dois secretários-gerais, os três devem ser sempre de diferentes nacionalidades.” Seu mandato seria de oito anos. “Este Conselho (Supremo Ibérico) teria como objectivo final em vista: a criação de uma Comunidade Ibérica”, acrescenta.

O projecto proposto pelos portugueses implicaria que a Espanha deixaria de ser o quadro da união, sendo substituída pela “comunidade ibérica”, e, por outro lado, a sua representação seria através de Castela, Catalunha, País Basco e Galiza. O que também pode ser visto de forma diferente. A fórmula de coexistência peninsular teria uma união e partes. A Espanha seria novamente a geopolítica “Hispania”, chamada comunidade ibérica, e a nacionalidade castelhana assumiria um papel equivalente à Catalunha, ao País Basco e à Galiza.

Havia, entre o público, quem reivindicou a presença da Andaluzia. Este recuo da Espanha para Castela é partilhado por todos, exceto Araquistaín, um socialista, que vetou a presença do PCE no debate e defendeu uma República Dual (Espanha-Portugal). Araquistáin sentenciou, embora sem detalhar como evitar a duplicação, “não vejo oposição entre ‘Estados Unidos Ibéricos’ e ‘República Dupla’. A Espanha pode ser organizada em uns Estados Unidos. Pessoalmente, também me inclino para os Estados Unidos ibéricos. Se proponho uma República Dupla, é como uma concessão maior aos medos dos portugueses”. O que eu estava apenas dizendo era que os portugueses não iriam aceitar que fossem rebaixados para uma nacionalidade mais peninsular. Finalmente Araquistáin pede para retomar o debate a partir da reforma da Constituição espanhola de 1931, uma questão que provoca o fim das reuniões por dissidência.

Este debate despertou o interesse das sociedades de estudo portuguesas no Brasil e nos Estados Unidos. A Ação Republicana Espanhola e o Conselho de Cultura Euzko-Etxea de Londres organizaram conferências para a Comunidade das Nações Ibéricas. Ao mesmo tempo, o ex-presidente da República Portuguesa José Domingues Dos Santos, também do Grupo de Budas, fundou uma revista intitulada Ibéria,que publica em várias línguas ibéricas.

Este debate teve seu “impacto sobre o Reino Unido, França e Portugal, entre publicitários e governantes europeus, e na Argentina, Brasil, Chile, Venezuela, México e Estados Unidos em diversas comunidades e entre estadistas”, de acordo com a editora Ekin de Buenos Aires, justificando a edição do livro.

 

Pablo González Velasco é coordenador geral de O TRAPÉZIO e doutorando em antropologia ibero-americana na Universidade de Salamanca