Espanhol Português

O parque eólico WindFloat Atlantic está agora operacional. Depois de alimentar o cabo que percorre os 20 quilômetros do parque eólico flutuante, na costa atlântica, com a estação instalada em Viana do Castelo (Portugal), a primeira das três plataformas do projeto do consórcio Windplus foi conectada com sucesso.

O lançamento deste parque eólico flutuante Windfloat Atlantic, que acaba de receber do porto galego de El Ferrol a segunda plataforma dos três que vai abrigar, permite o acesso ao recurso eólico em áreas marinhas remotas e representa um avanço tecnologicamente relevante para a utilização deste recurso e para a descarbonização da economia.

O parque terá uma capacidade final de 25MW e abrigará as maiores turbinas eólicas do mundo instaladas em uma superfície flutuante de 8,4 MW cada, ajudando a aumentar a geração de energia e incentivar uma redução considerável nos custos associado com o ciclo de vida. Uma vez que está operacional ao 100%, será capaz de gerar energia suficiente para fornecer o equivalente a 60.000 usuários por ano.

As plataformas de Windfloat Atlantic estão ancoradas no fundo do mar acorrentando-se a mais de 100 metros de profundidade e são projetadas para que possam ser movidas por rebocadores comuns, ao contrário de instalações fixas que exigem embarcações mais caras para o transporte. Além disso, estar armado no terreno poupa em custos logísticos, económicos e ambientais e pode ser replicado em qualquer outro extremo do planeta e em maior escala.

O projeto pertence ao consórcio Windplus, de propriedade conjunta da EDP Renováveis (54,4%), Engie (25%), Repsol (19,4%) e Principle Power Inc. (1,2%).

A EDP é um grupo de origem portuguesa que é participada pelo capital chinês (21%) e mantém a sua sede em Lisboa.