Portugal e Espanha têm fatores de risco comuns em várias doenças oncológicas

Atlas da Mortalidade por Cancro em Portugal e Espanha analisa os principais cancros no território ibérico

Comparte el artículo:

Compartir en facebook
Compartir en twitter
Compartir en linkedin
Compartir en whatsapp
Compartir en telegram
Compartir en email

O Atlas da Mortalidade por Cancro em Portugal e Espanha 2003-2012 apurou que Portugal e Espanha apresentam «fatores de risco comuns» nos principais cancros analisados. Se o norte de Espanha têm uma predominância do cancro do esófago, nas regiões do sul verifica-se mais o cancro da laringe. Em relação a este, os homens apresentam uma mortalidade maior que as mulheres.

De acordo com o estudo, organizado pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge e pelo Instituto de Saúde Carlos III, o cancro mais mortífero tanto em Portugal como em Espanha é o do pulmão. Em 2018, o cancro do pulmão foi o responsável por 16,3% dos óbitos devido a doenças oncológicas. O colorretal é o mais diagnosticado em ambos os países e o segundo mais mortal.

O objetivo deste estudo não é diretamente sobre os fatores de risco mas sim sobre a mortalidade ser maior ou menor em determinado concelho. Isto pode levar ao lançamento de hipóteses em relação ao porquê da distribuição destes cancros, que não olham para fronteiras. Fatores comuns, como o fumo e o consumo de álcool, são fatores comuns tanto em Portugal como em Espanha e levam a predominância de certos cancros.

Segundo os autores deste estudo, os dados analisados continuam a ser bastante atuais. Em relação ao cancro do estômago, este apresenta uma maior mortalidade em Portugal do que em Espanha. O comportamento, estilos de vida e acesso aos cuidados de saúde são algumas das características que podem levar a uma diferença no mapa ibérico.

Noticias Relacionadas